Quando digo que te amo mais

VOU TIRAR SUA CALCINHA COM A BOCA, TE DEIXAR LOUCA

2020.10.24 04:33 mentalorgasmo VOU TIRAR SUA CALCINHA COM A BOCA, TE DEIXAR LOUCA

Todo dia te quero. Todo dia sinto que sua presença na minha vida me marca de alguma forma — seja quando esfrega os seios no meu rosto, ou quando me fala gracinhas no ouvido enquanto mordo sua orelha, ou até mesmo quando você me envolve com suas pernas durante meus passeios entre elas.
É sempre gostoso falar de nós. Mas quando paro para me expressar sobre você eu me sinto mais eufórico. Afinal, olha a formosura dessa raba… vai negar que fico louco com ela na minha cara à toa? Porra, está de sacanagem! [Risos]
Eu amo lhe deixar ansiosa para sentir minha boca passando por esse corpo sinuoso e esbelto. Eu já gozo por dentro. Já é tudo para mim. Porque me sinto iluminado só de saber que te tenho. Tudo fica uma loucura quando você está presente. É quando mordo a calcinha calmamente vou tirando, como se eu não tivesse mãos, deixando só a boca agir.
– Você não sabe brincar — ela me diz, insinuando que apelo e não vou direto ao ponto.
– [Mas] é assim que tem que ser, minha gostosa — eu digo, tentando amenizar o peso do argumento dela. Mordo a lateral da calcinha, tirando um pouco de cada vez — ela de quatro, empinadona para mim — , puxando com leveza os dois lados, sentindo seu corpo apreensivo; se apoia na cabeceira da cama, vira a cabeça para trás e fica me olhando agir; resolve atiçar e leva uma mão à flor, massageando gostoso, como se estivesse se vingando de mim, só para me provocar — e faz o inesperado que acaba comigo: penetra dois dedos nela. Ai meu Deus! Eu penso comigo. Isso não está acontecendo. Grande presença! [Mesmo louco para demonstrar que pirei], não esboço nenhuma reação diferente, e continuo a tirar. Uma vez peladinha, dou uma de guloso e vou beijando mas lambendo ao mesmo tempo a parte de trás da coxa, cuspindo no cuzinho e presenciando a queda da saliva até se dispersar nas curvas da flor… ela mete os dedos e envolve com o próprio babado, tornando mais aprazível. (Uma cena que só quem já presenciou sabe o quanto é extraordinária e profunda). Logo, entro com mais intensidade no jogo também e honro minha camisa, me posicionando entre suas pernas e chupando devagarzinho o grelo todo babado que ela deixou e tentei ajudar.
No entanto, não demoro muito e termino o serviço beijando seu corpo, enaltecendo sua grandeza. Eu me deleito nela.
submitted by mentalorgasmo to u/mentalorgasmo [link] [comments]


2020.10.22 13:01 bergjensen33 Acabou? Talvez seja só um sonho que eu tento prolongar, ou aquele último restinho de pasta de dentes que eu tento espremer usando uma prensa hidráulica.

Eu conheci ela no meu ensino médio, ficamos mais ou menos uns três anos e meio. Ela sempre foi tudo pra mim, e eu não consigo me imaginar com outra pessoa, nem consigo imaginar outra pessoa se interessando por mim. Bom, tivemos uma história incrível, mas quando eu me mudei pra uma cidade meio longe ela resolveu terminar. Simples assim, na maior frieza. Continuamos nos falando e no dia da mudança ela me disse que tinha conhecido alguém e que não podia continuar falando comigo. Até aí eu não vi nada de errado. Mas, quando ela me disse que já estava com ele a duas semanas (ainda estávamos juntos nesse tempo) eu fiquei pálido, não consegui ficar de pé. Não conseguia nem chorar. Minha visão ficou embaçada, eu não conseguia pensar em nada, só sentar e nadar nessas sensações, com um grande "tuiiiiiiimmmm" nos meus ouvidos, olhando pro nada. Eu já estava a 26 horas acordado e em jejum, a viagem seria longa. Não comi nada, e quando tentei beber uma água, passei 45 minutos tendo espasmos como se vomitando, mas não saia absolutamente nada. No carro eu consegui dormir apenas 4 horas, e chegando lá eu comprei uma bebida e fui me afogar um pouco. Até que ajudou, conseguia não vomitar o álcool pois sabia que na quantidade adequada me nublaria a memória de todo tipo de coisa. No dia seguinte eu fui tentar comer um x-tudo na lanchonete local. Na primeira mordida eu já comecei com a merda dos espasmos de novo. Já estava a mais de 3 dias sem comer absolutamente nada. Eu QUERIA comer, mas não conseguia. Voltei a beber. Pra minha surpresa, eu recebo uma notificação no meu celular. Era ela, me dizendo que ninguém poderia ser igual a mim e que ela estava apaixonada por mim, e que ela nunca tinha nem visto ele e que só estava afim dele por causa do jeito que ele falava com ela. Meu olho se encheu de lágrimas, eu quebrei todas as minhas garrafas de bebida no chão, urrando como um doente. A vizinhança até hoje deve me achar louco por isso. Eu não consegui processar direito, certamente estava melhor que antes, mas ainda assim cheio de ódio. "Como vocÊ pôde fazer isso comigo? Eu sou um cachorro pra você? Um cachorrinho que você manda ir e voltar quando quer e como quer?" "N-não, """""""""""""""""""amor""""""""""""""""""", você sabe que nascemos um para o outro..." E continuou dizendo essas palavras doces e falsas até meu maldito coração de imbecil se amolecer. Não namoramos, mas ela disse que vai vir morar na minha cidade assim que tiver condições, que quer tentar algo sério comigo, como um noivado ou casamento. Sinceramente? Ela só quer alguém como eu pra dizer coisinhas bonitas e amáveis pra ela. Bom, tempo passa, ficamos como estávamos, mas dessa vez sem nos ver. Nos falávamos todo dia, jogávamos algo juntos, fazíamos intimidades em ligação. Mas eu notei que isso foi parando aos poucos. Só eu que falo eu te amo, só eu que digo bom dia e boa noite, ela diz que é o stress do trabalho, mas eu sinceramente não acredito. Ela disse que não está conseguindo responder ninguém por causa do trabalho, mas eu penso que deveria ter um pouco de prioridade. Minha pergunta é: Acabou? Devo me preparar? Já acabou a muito tempo e eu que estou relendo a mesma história tentando sentir o que sentia da primeira vez? Me perdoem pela muralha e pela falta de formatação, realmente não sou profissional em operar esse site.
submitted by bergjensen33 to desabafos [link] [comments]


2020.10.17 00:39 TravsTravinho Não sei se eu sou louco, tóxico, surtado ou se eu só não devo aceitar menos do que eu mereço. Só queria ouvir algumas palavras de conforto.

Isso é um desabafo, mas tudo vem de um relacionamento.
Constantemente sinto vontade de morrer, não de me matar, me suicidar, nem nada do tipo, eu só queria não estar mais aqui, não viver mais essa vida, e principalmente não ter a personalidade que eu tenho, não sentir necessidade de sentir o que eu sinto.
Nem sei como começar a explicar, eu tô nesse relacionamento, é um namoro, com toda certeza do mundo, estamos nos vendo toda semana, se chamando de amor, eu pago as coisas pra ele sem problemas, não ficamos com outras pessoas, dizemos “eu te amo” constantemente... Exceto que ele não quer namorar, ele tem os traumas dele com namoro e eu entendo.
Sinto que nada que ele faz pra mim é suficiente, isso mesmo, sempre ouço as pessoas dizerem “não me sinto suficiente pra ele” mas aqui é o contrário, eu sei que sou suficiente, eu seria um namorado perfeito, busco e levo ele em casa, faço surpresas, compro presentes, me declaro diariamente, levo em restaurantes caros, não vejo problema em parar tudo que eu estou fazendo para escutar o que ele sente, ouví-lo desabafar, tentar ajudá-lo com quaisquer problemas que ele possa ter. Mas não sinto o mesmo vindo dele.
Não é que ele não me ama, ele ama e eu sei disso! Ele me diz isso, ele arruma tempo pra mim, só que talvez ele não seja tão intenso como eu sou, e toda vez que eu reclamo ou que temos conversas sobre isso - ele sabe de tudo que estou escrevendo até agora - acaba em briga, eu supostamente o faço sentir insuficiente rs, ele se sente horrível, eu me sinto um monstro por dizer certas coisas (e eu falo com jeitinho).
Sei lá, talvez eu peça demais dele, talvez eu esteja sendo um monstro cruel, tóxico e abusivo por dizer que quero mais, que não sinto reciprocidade, que eu tenho um monte de responsabilidades e ele não... Ou talvez eu esteja certo em solicitar pra ele o que pra mim eu considero como o mínimo... Esses dois pensamentos ficam brigando dentro da minha cabeça parece, em um momento eu me sinto o dono da razão e cobro algum tipo de ação dele, alguns minutos depois eu posso me sentir péssimo.
Ele diz que eu não reconheço o que ele faz por mim. Eu sinto que ele não faz nada além de me dar migalhas de afeto.
Sinto que ninguém, nem ele, por mais que ele tente, consegue lidar comigo e com os meus sentimentos. Ele realmente tenta melhorar quando eu digo que estou incomodado com algo, mas será que eu estou em busca de um conforto que ninguém pode me prover?
Se eu não fosse tão necessitado do amor dele, se eu não lesse as entrelinhas e analisasse cada mensagem dele, nada disso seria um problema. O problema sou eu, e não ele.
Mas, eu estou errado em procurar alguém que me faça sentir confortável? Eu só quero ter o mesmo tratamento que eu dou a ele, me sentir e ser tratado como um príncipe.
Amo esse menino, mas acho que eu deveria terminar com ele, acabar com nosso relacionamento que até então era tão leve e saudável, tudo que eu sempre quis, para que talvez no futuro eu não o machuque, e nem ele me machuque.
submitted by TravsTravinho to desabafos [link] [comments]


2020.10.14 12:21 DonaBruxa_Deyse A Prostituta- Verídico

🕷🕸Relato recebido. Foi contado por uma mulher sobre seu contato com Setealém.🕸🕷
Eu sou Brasileira e morei em Milão/Itália entre os anos de 2003 à 2015.
Minha mãe tinha cidadania italiana, pois na sua juventude tinha sido modelo e morado na Itália. No seu tempo, chegou até a atuar em alguns filmes do de Sica. Mas minha mãe era fria, ruim, maldosa. Não dava a mínima pra mim. Ela era alcoólatra e me batia desde sempre.
Nunca conheci meu pai. Ela jamais citou seu nome. Sempre imaginei que fosse um italiano famoso e mantive a esperança de encontrá-lo. Minha avó era boa e me confortava após as surras. Contava que minha mãe nem sempre fora assim. Que era doce, meiga, sorridente. Mas que depois que voltou de vez da Itália pro Brasil, nunca mais fora a mesma. Tinha se transformado num monstro e que nem a reconhecia mais. Eu só pensava em fugir de casa. Minha avó morreu em 2002. Fiquei ainda mais sozinha.
Quando fui descoberta como modelo, não pensei duas vezes e fui embora. Minha mãe assinou os documentos e pela primeira vez na minha vida, parecia feliz por estar se livrando de mim.
Cheguei em Milão com 15 anos na esperança de seguir carreira como modelo. Sai do Brasil com um contrato assinado para desfiles de modas e realmente, desfilei por 2 anos. Porém, muitas meninas chegavam com o mesmo sonho, por ser um mercado com muita competição, os trabalhos foram diminuindo. Morava num apartamento perto de monte Napoleone e dividia com mais 5 garotas também modelos.
Comecei a trabalhar como vendedora pra uma loja de grife: Chanel. Mesmo recebendo comissão, era muito cara o estilo de vida que levava e tinha o sonho de ter sucesso na vida.
Uma das minhas colegas de apartamento, não escondia de nós que trabalhava como Ragazza imagine em danceterias e saia com clientes ricos depois dessas noitadas. Na verdade, ela era uma garota de programa e saia com a nata da sociedade milanesa.
Eu estava de saco cheio daquela vida e eu mesma pedi que ela me apresentasse para seu “chefe”. Era uma agência de “modelos”. Fiz fotos para um “book” que seria exibido para clientes que procuravam meninas com o meu perfil. O cachê para esses encontros partiam do valor de €1.500,00 por três horas de encontro. Esse valor livre em minhas mãos.
Nesse período em que trabalhei pra essa agência, sai com jogadores de futebol, políticos, artistas, sheikes árabes, milionários… Rolava sexo e muita droga. Eram homens generosíssimos e além do cachê pré combinado, ganhava gorjetas e muitos presentes. Nós não éramos obrigadas a usar, mas confesso que tornou-se um vício também. Numa sexta-feira, fomos chamadas para comparecer na agência.
Foi nos explicado que um cliente muito importante escolheria 7 garotas para um “evento”. Seria pago 17 mil euros para cada antecipadamente. As escolhidas seriam levadas por um motorista na data e horário combinado è trazidas de volta no fim do evento. Deveríamos assinar um termo de silêncio e que nada visto ou ouvido poderia ser divulgado. Meus olhos brilharam ao imaginar o valor que seria pago. Entrou então um avaliador. Ele estava ali para escolher as 7 meninas. Ele vestia terno caríssimo, sapatos que brilhavam, luvas pretas de couro, óculos escuros, mas eu pude sentir um desconforto toda vez que ele olhava para mim. Ele não falava nada. Parecia fraco, adoentado mesmo, pele amarelada. Todas as meninas vestiram biquínis, formamos uma fila e começamos a desfilar para ele. Ele apenas apontava o dedo para as que escolhia. Eu fui uma delas. Vibrei por dentro.
Houve uma segunda etapa da seleção, onde tínhamos que responder uma sequência de perguntas, que não faziam muito sentido naquele momento:
Você mora sozinha? Acredita em Deus e outros seres? Você tem medo do escuro? Transaria com um réptil? Qual período de tempo mais longo que aguentaria ficar sem beber água ou líquido? Acredita em orações ou rezas? Sabe dizer uma de cor nesse momento? Já ficou presa dentro de um quarto sozinha numa casa desconhecida? Você se considera uma pessoa capaz de guardar segredos? Se você desaparecesse, alguém sentiria sua falta?
Entre outras perguntas totalmente sem nexo....mas enfim, ricos são excêntricos, pensei!
Sai de la, com meus euros garantidos, porque no fim do processo, cada uma das 7 recebeu na conta o valor combinado. Deveríamos ir lindas e o tema da festa era “Mascarados”.
Sai da agência tão feliz. Resolvi comprar vestido, sapatos e bolsas novas. Comprei perfume e maquiagem. A festa seria na noite seguinte e meu motorista me buscaria as 19 horas em ponto.
No horário combinado, toda linda, eu aguardava no hall de entrada do prédio o tal motorista.
No termo que assinei dizia que não nos era permitido o uso/ portar nenhum aparelho fotográfico ou celular.
Então, parou um carro preto antigo, muito velho e desceu um homem tão estranho quanto o que me escolheu na seleção da agência.
Ainda assim de forma educada, sem olhar para mim, abriu e fechou a porta do carro.
Ele não trocou uma palavra comigo durante uma hora e meia até chegar ao local do evento.
Sabia que estávamos na região do lago de Como, mas nunca vira ali na Itália uma estrada tão deserta. Não cruzamos com nenhum Autogrill. Até chegarmos a um castelo antigo, que a primeira vista parecia abandonado. Estávamos no meio do nada e ali tinha um castelo! Ao adentrar no castelo, vi no meio do salão minhas 6 amigas. Estávamos lindas, ansiosas. Nos cumprimentávamos, quando ouvimos 7 rufadas de um tambor. Congelamos. Apareceu uma mulher vestida de preto e seu rosto escondia-se atrás de uma telinha do seu fascinator. Fez sinal para que a seguíssemos e fomos até outra sala ainda maior. Antes de entrarmos nessa segunda sala, a cada uma de nós foi perguntado ( pela senhora de preto): -Acredita na unidade daquele que é um só? Todas nós respondemos que sim ( nem sei dizer porque respondi que sim) e entramos no grande salão. Estava escuro e de repente, mais sete rufadas de tambor e a nossa frente, uma luz amarela acendeu. Era uma luz amarelada estranha, meio fraca, piscava e a nossa frente surgiam pessoas mais estranhas ainda. Ouvimos uma música que nos perturbava. Ficamos sem reação. Deveríamos dançar? Conversar? Sorrir?
Notei que aquelas pessoas pareciam pertencer a uma alta classe social porque por mais estranhas que fossem, havia muita pompa no modo delas vestirem-se e portarem-se. Repito que era tudo estranho e feio! Havia homens e mulheres e até crianças mascaradas naquela festa! Pessoas ricas com roupas tão surradas? Havia um cheiro muito forte no ar. Como se algo tivesse estragado ou em putrefação. A música era a mesma e eu já não entendia nada. Aos poucos, homens mascarados se aproximavam. Um deles, cambaleando chegou até mim, sorriu e NÃO TINHA DENTES. Me disse algo e seu hálito me atingiu... Inconscientemente, levei a não até a boca e nariz! Quase vomitei. Ainda assim, disfarcei e sorri. Quando ele encostou a mão gelada no meu antebraço, senti que cairia no chão.
Ele pressionou meu braço e me levou para dançar. Se é que aquilo seria dançar... davam uns pulos, tinham trejeitos e a falta de coordenação daquele povo poderia ser considerado patético!
Suportei por bem uns 10 minutos aquele bafo, mãos geladas sobre mim... Até que pedi algo para beber. Ele disse numa voz rouca mas fina, que não tínhamos permissão para beber nem comer.
Gente, que absurdo.
Porém, tinha levado meu pozinho mágico e seria obrigada a usá-lo para aguentar aquele show de horrores. Lembrando que já tinha embolsado meu dinheirinho, estava tudo Ok. Pedi para usar o banheiro e então a senhora de preto me levou. Iluminando o caminho com uma vela preta. O banheiro era a coisa mais NOJENTA que há vi na vida.
As privadas estavam todas sujas de m€£%¥. Tinha até vermes na água que fica parada no vaso. Pedaços de carne podres! Não tinha descarga. Ao tinha torneiras. Desisti de fazer xixi. Usei minha bolsa de apoio e fiz a maior carreira de minha vida. Quando voltei para o salão as pessoas tinham desaparecido. Só tinha uma mulher mascarada que me observava. Resolvi que deveria puxar assunto e caminhei na direção dela. Faltavam 5 passos e vi que uma senhora também de preto a arrastou. A mascarada gritou: - Eu sou você! ( disse meu nome!!!)Vá embora! Fuja daqui! Nós liberte desse inferno! Na confusão, sua máscara cai e pude ver seu rosto. Aquela mulher era idêntica a mim! Era eu num outro corpo. Nada pude fazer... A vi ser levada. Minhas colegas já tinham sumido e eu fiquei sozinha ali. Senti as mãos geladas no meu braço outra vez. Era aquele horrorizo novamente. O povo parecia ser muito ruim de festa. Ninguém falava, ninguém tia ou cantava, vão podíamos comer ou beber! Fui levada até um quarto . Passamos por corredores frios e escuros. Eu e ele! Meu coração batia forte... Não sabia se era a droga ou o medo. Comecei a escutar gritos ao passar por outros quartos. Chegamos ao “nosso” quarto! Era tão ridículo e feio quanto todo o resto até aquele momento.
Uma vela preta estava acesa. A única luz naquele quarto frio.
Tinha chegado a hora.. Teria que fazer jus ao dinheiro pago por aquela noite. Estava arrependida já!
Comecei a me despir, o homem, tirou a máscara e falou:
-NÃO OUSE!
Paralisei!
-Sente-se!
Ela falou comigo sem abrir a boca!
Sentei e ele me explicou:
-Eu sou seu irmão. Sou filho da mulher que gritou seu nome. Meu pai aprisionou ela aqui há anos. Ele é prefeito aqui. Você está num lugar que não existe. Aqui é o meio. Aqui é Sathlem ( algo assim)... Não sei escrever ou repetir. Prometi à ela que te libertaria. Suas amigas jamais voltarão. Já pertecem a esse lugar.
Quanto mais ele falava, mais lúcida eu ficava. Será que esse pozinho era tão forte assim? Só pensava nisso?!? Como eu poderia estar pensando nisso?Meu Deus, estou tendo uma overdose! Não é possível!
E o estranho concluiu meu PENSAMENTO: - Não, você não está alucinando ou alterada. Você foi despertada pelo UM SÓ! Não fale mais nada para não desperta-lo!
Comecei a chorar! Queria devolver o dinheiro! Queria ir embora.
Comecei a ouvir passos... Como se um gigante se aproximasse. O estranho fez sinal para eu calar a boca. Não era capaz de controlar meu choro. Até o estranho pressionar com o dedo um ponto na minha garganta! Doeu muito. Ouvi ele pedindo desculpas por fazer aquilo e perdi os sentidos.
Acordei na minha cama. Estava com o vestido e sapatos da festa.
Tinha um bilhete escrito na comoda do quarto escrito assim:
Senti tanto medo. Jurei que nunca mais beberia ou me drogaria na vida e pararia com aquele “trabalho” Realmente, nunca mais fiz nada daquilo.
Meu telefone tocou e era o agente. Precisava ir até a agência.
Fodeu, pensei! Fodeu, fodeu, fodeu!
Mas fui... Porque sabia que se vão fosse, eles viriam ate mim. Meio que você começa a fazer parte da máfia! Você tem que prestar contas!
Fui com o coração na mão! Bom, pensava a, gastei o dinheiro somente com o vestido, bolsa, sapatos e maquiagens. Não tinha gastado tanto e teria como cobrir os gastos e devolver os 17 mil.
Quando cheguei lá, o agente me tratou tão bem... Disse que eu tinha sido venerada e exaltada. Que tinha sido profissional e me destacado . Gostaram tanto de mim que pediram meus dados bancários porque me fariam um agrado!
Entendi que o agente tinha sido recompensado. Perguntei sobre minhas colegas e ele mudei de assunto: -Que colegas? De quem você está falando?
(NUNCA MAIS AS VI!) Não eram amigas. Nas as viagem festas e tal... Jamais as vi novamente.
Fui até um ATM e quando solicitei meu saldo, quase caí de costas! Havia sido depositado na minha conta alguns muitosssss 00000000000 de euros.
Com essa grana, mudei minha vidaComprei um apartamento e carro. Estudei. Conheci um grande amor. Tenho filhos. Moramos na Bélgica. Sou estilista de moda e tenho minha grife!
Tenho sonhos recorrentes com aquele lugar onde estive. Meu marido sempre comenta ter a sensação de estar sendo seguido ou observado. Diz ver carros estranhos parados na rua de casa. Comenta sobre carros estranhos! Digo que é apenas impressão dele!
submitted by DonaBruxa_Deyse to u/DonaBruxa_Deyse [link] [comments]


2020.09.30 21:06 pla-to Escritor a beira do colapso

Olá, Brasil
hoje venho lhes apresentar meu dilema. Gostaria de saber se os senhores podem me auxiliar, pedindo desculpas antes mesmo de começar a me explicar, tendo em vista o tamanho do post que abaixo segue. Para quem possuir a paciência e a resignação de ler até o final, só me faz possível agradecer e lhe estender um virtual e fraternal abraço.
tl;dr>! sou bipolar e gosto de escrever, não tenho um puto no bolso pq anos de estudos de filosofia e literatura me tornaram incapaz de conviver de maneira adequada nessa sociedade doente, peço que avaliem meu trabalho para que eu saiba se há futuro para mim na escrita e, também, que me ajudem com conselhos profissionais, doações ou de qualquer outra forma para que eu possa sair da cidade em que resido e busque um lar em São Paulo.!<
Vamos lá:
Me chamo Dillon Hagar (meu pseudônimo literário) e tenho ~30 anos. Sou formado em direito e administração com pós em direito penal e processual penal, não que isso me seja muito relevante sobre quem sou, acredito estar mais relacionado com minha história.
Venho de uma família brasileira típica: meu pai e minha mãe são pessoas honestas que sempre trabalharam (muito) para buscar oferecer o melhor para meu irmão e eu. Apesar da extrema formalidade que compele o viver dos dois, sei por fato e história o quanto eles nos amam. Meu pai sempre foi um cara absurdamente estourado e - até recentemente - acreditei que isso era apenas seu jeito de ser, afinal o cara já engoliu alguns sapos da vida (principalmente de sua falecida mãe).
Talvez pelo fato de ser tão estourado, permiti por muito tempo que minhas escolhas fossem feitas por mim, afrontar seus nervosismos só me gerava ainda mais ansiedade. Sempre me foi difícil o necessário pisar em ovos com ele, já que somos pessoas absolutamente distintas. Seu ideal de justiça é através da imposição da violência enquanto sou apenas um advogado que valoriza o debate, defende as garantias e direitos individuais e conhece um pouco das mazelas do nosso maravilhoso Brasil.
Fiz uma faculdade (duas, se prezar pela especificidade) que me habilitaram em uma profissão que não tinha e nem tenho a menor intenção de exercer. Sou advogado inscrito na OAB/SP, porém tudo que gostaria de fazer é rasgar minha carteira e escrever... Mas tudo bem, quem não é advogado hoje, não é mesmo?! Está ai a primeira vaidade formal que meus pais têm sobre mim que não faço questão.
Tenho um irmão mais velho (programador) que, com muito trabalho e talento, conquistou seu lugar ao sol nesse caótico mundo e foi morar em outro país, longe do julgamento dos velhos.
Para o caçula, restou apenas buscar se adequar a sociedade de uma cidade do interior paulista (~180k habitantes, ~450km da capital) e tentar ganhar algum dinheiro, porém, como fazemos isso quando não há oportunidades e se é um desarticulado?
Aos melhores empregos, não possuo a experiência. Para os demais, sou mais qualificado do que deveria. Sou um monstro em pele de homem, vagando por uma cidade que não parece ter o interesse de recepcionar o diferente.
Veja bem, estimado leitor. Sei o que sou e, acredito que aqui, seja o momento ideal para dizer o bestial ser que lhes redige este biográfico texto. Minha sinceridade é inata, não posso me mostrar por menos, não me sentiria bem comigo mesmo se não soubessem quem realmente é aquele que lhes pede algo.
Há alguns anos - graças a uma maravilhosa ex-namorada psicóloga - contrariado pelos meus pais que sempre viram saúde mental como tabu, decidi buscar ajuda profissional para tratar o vazio existencial que existe/ia dentro de meu peito. Após 6~8 anos de terapia e pelo menos outros 6 de clínica psiquiátrica, me deparei com o diagnóstico de um distúrbio de personalidade, "Transtorno de bipolaridade tipo 2", dizem os médicos. Como gosto de informalidades, prefiro chamar apenas de "meus demônios".
"Meus demônios" por muito tempo foram seres antagônicos dentro de mim, me aterrorizavam madrugadas a dentro, cochichando terríveis segredos em meus ouvidos. "Nunca serás o suficiente", "aqueles que dizem te amar riem de ti", "se tens medo de monstros olhe bem para dentro de si: tu és o monstro de quem teme". Nada legal, não?!
Medicação e terapia me tornaram inteiros, ao menos o suficiente para que tomasse as forças necessárias para meu "salto de fé", me fazendo no começo do ano finalmente deixar o ninho e buscar continuar somente com a força de minhas próprias pernas. A felicidade e a esperança, como bem sabem do ano de 2020, talvez tenham sido mal colocadas.
Surpreendentemente, mesmo com as coisas nesse plano de existência estarem indo em vertiginoso declínio, me encontro de certa forma bem e feliz comigo mesmo. "Meus demônios" agora são seres integrados em minha convivência e, com a força do estudo da filosofia (valeu Platão, estoicos, Nietzsche e demais) e outros literatos, descobri que não deveria mais temer minha patologia. Aprendi que ela sou eu e eu sou ela, essa "bipolaridade" que me faz navegar tão rapidamente entre humores é tão somente parte de quem sou. Se antes terapia e remédios eram minha cura, hoje digo com propriedade que aprendi ser minha própria mirtazapina. Se antes chorar de manhã e sorrir de tarde eram um problema, hoje aprecio o fato de lacrimejar enquanto escuto Avril Lavigne (que mulher!), mais tarde me abraçar ao som de Dream Theater e me odiar durante as madrugadas com Witchcraft ou Void King. Música, filmes e livros: ai está minha eterna companhia.
Pois bem, caríssimos estranhos. Sou o que sou e não lhes nego! Talvez esse seja o maior trunfo do anonimato: a possibilidade de ser quem quiser ser sem o prejuízo de julgamentos. Espero que minha sinceridade não lhes seja ofensiva ao decoro, para os que até aqui chegarem agradeço de coração sua insistência.
Ok, ok, divago! Vamos voltar ao ponto central e motivo desse texto: Não tenho amigos e não tenho emprego. O primeiro se deve ao fato de que sou quem sou: aprendi a duras verdades que em uma cidade deste tamanho existem mais pessoas dispostas a lhe julgar do que entender. Geralmente fogem quando confesso ser bipolar ou quando descobrem que não tenho medo de estar em contato com meus sentimentos. Que coisa não?! Em pensar que o que todos buscavam era verdadeira conexão e honestidade nas relações. Mas tudo bem, quem lhes redige sabe que sua intensidade pode ser exigente demais da disponibilidade dos outros, procuro não julgar os que me negam.
Já para falta de emprego talvez seja uma consequência lógica do primeiro: Em entrevistas de emprego costumo ser brutalmente honesto com meu empregador (afinal não é o que pedem?), ainda há pouco me perguntaram qual o meu salário ideal, quando respondi minha quantia, balançaram a cabeça em sinal negativo e disseram que era incompatível. Quem sabe não tenha sido o mais inteligente de minha parte dizer que "talvez o senhor não devesse fazer perguntas que não lhe agradam a resposta, achei que me perguntavas o que eu queria, não que buscasse adivinhações". Sim, sou este tipo de ser. Novamente perdão se lhes ofendo, reafirmo não ser minha intenção. Convido-lhes para uma reflexão, amado desconhecido: poderia eu, sendo quem sou, responder diferentemente?
Pois bem, venho fazendo o que todo jovem advogado têm feito: ofereço serviços jurídicos a preços módicos (que costumeiramente adapto aos meus clientes como forma de lhes ajudar). Sou criminalista mas somente atendo um seleto tipo de criminosos: àqueles a quem se não oferecido um serviço jurídico, muito provavelmente seriam engolidos pela máquina punitiva do Estado e integrados ainda mais a criminalidade. Não advogo para partidos criminosos e muito menos para criminosos de carreira, minha intenção é ajudar e não livrar-lhes de culpa. Talvez percebam aqui os motivos de porque não me restar dinheiro...
A fim de dedicar ainda mais honestidade à este texto, digo-lhes que tenho sim uma amiga. Uma sócia-comparsa, somos advogados e trabalhamos juntos coletando moedas enquanto tentamos ajudar, um pássaro de asa quebrada por vez.
Novamente divago, perdão. Ao ponto então: bem, como já devem tê-lo percebido, meu negócio é a escrita. Amo escrever, estudo latim por hobby, leio dostoievisk por esporte. Escrevo poemas, poesias, cartas, o que quiser. Dedico aos meus amigos e conhecidos aquilo que posso oferecer: no meu caso é o que coletei em meus 30 anos de existência. Você tem um problema amoroso? Ótimo! Sou teu brother e lhe farei uma carta ou um poema para que sares o coração, ó jovem apaixonado! Lhe incomoda a ansiedade saber que em breve terá que defender seu TCC? Maneiro, meu parceiro! Dedicarei à ti minha próxima carta sobre como deve se lembrar que em outra época, também já se apavoraste com o vestibular mas, ainda assim sobreviveste. Aproveito para lhes endereçar esta pergunta: Como se sentiriam se alguém lhes dedicasse uma carta sobre um problema que você confessou ter? Enfim, acho que pegaram o fio da meada.
Atendendo ao meu cósmico chamado, neste mês de setembro (setembro amarelo, lembro), silenciei meus demônios e passei a publicar alguns de meus textos, cartas e poemas em meu facebook particular. Alguns receberam mais likes que outros, alguns nenhum. Devo dizer que me dói saber que minha escrita às vezes não é apreciada.
Ao verem uma suculenta oportunidade, meus "dêmos" foram atiçados e voltaram a sussurrar. A minha vantagem é que neste momento, estando um bocado mais forte que antes, pensei que talvez não devesse eu ceder a régua que me mede à mão de pessoas que porventura não são verdadeiramente amigas. Improvável mas possível...
Sem dinheiro, sem perspectiva e sem companheiros, resto sozinho vivendo em um apartamento quase de favor com um conhecido. Gostaria de me mudar para São Paulo e conhecer todas aquelas pessoas estimulantes que pertencem àquele maravilhoso lugar, porém, como, se não disponho de condições nem para minha terapia e psiquiatra? Às vezes sinto que minto para as duas quando digo que estou bem, em ordem de fazer diminuir o número de sessões e medicamentos que preciso despender. Mando meu amor para as duas: não fosse por elas e os descontos absurdos que me proporcionam (na terapia, pago menos da metade; na psiquiatra, 1/3), talvez eu não estivesse me sentindo tão radiante. Não é lindo quando profissionais se despem de sua autoridade e tocam outro humano apenas como um humano?
Pois bem, venho até este maravilhoso sitio eletrônico e lhes peço: sejam meus juízes! Convido-lhes ao meu julgamento e de meu trabalho. Serei eu um bom escritor? Existe um ofício por trás destra escrita? Poderia eu tudo abandonar e - quem sabe finalmente - me encontrar alinhado e instrumentalizado pelo senhor universo através da bela e indescritível energia cósmica enquanto escrevo? Acredito que o tempo e os senhores podem me dizer...
Encaminho o link de meu tumblr (tumblr pra escritor br, ok, isso é ainda de se analisar), nele encontrarão algumas de minhas escritas publicadas nesse mês de setembro. Caso a paciência e a boa vontade acompanhem os senhores e senhoras, peço gentilmente que leiam, avaliem e sentenciem neste post o que considerarem pertinente. Caso estejam cansados de minha presença e queiram buscar apenas o poema mais lido, acredito que tenha sido este.
Para aqueles que realmente creem no valor de meu trabalho, também anexo um link para doação em paypal, onde aceito qualquer valor que puderem me ceder. Por ora, fica desabilitado a possibilidade de subscreverem em assinatura as doações, antes avaliarei se há futuro para mim nesse negócio de escrita.
E para você, que precisa de alguém que lhe escreva uma carta, um poema, uma poesia, ou que tenha, sabia ou queira um empregado escritoredatofaz tudo, sabia que recebo pedidos por email ( DillonHagarF ARROBA gmail PONTO com ) ou até mesmo através desse post ou direct.
Há aqueles que me chamarão de tolo por acreditar na bondade de estranhos na internet, devo lhes dizer que não me importo. Somente atendo minha própria natureza assim como acredito que cada um deve atender a própria. Estejam todos abençoados e em paz: aos que me ajudarem, mais, aos que me ignorarem, em igual proporção.
Por fim, agradeço todos que chegaram até aqui. Vocês são seres maravilhosos e o dom de sua curiosidade proporcionou a um desconhecido na internet um momento de felicidade. Um profundo e sincero obrigado! Sintam-se amados até mesmo por quem lhes desconhece!
submitted by pla-to to brasil [link] [comments]


2020.09.15 02:26 Cintilante Eu sou fantástica!

[edit: Vocês são fantásticos! Não imaginei que esse post fosse receber tanta atenção positiva. Vocês me fizeram muito feliz
E, kind stranger, obrigada pelo award]
Há um tempo atrás escrevi um post no tumblr dedicado a todas as coisas ruins da minha personalidade. Por muito tempo planejei escrever o antipost com a intenção de provar que nem tudo é fezes no meu reino e que eu também sou fantástica.
O momento finalmente chegou! Eis aqui uma lista - imensa, eu espero - que prova isso.
1 - Eu converso muito bem. Muitos anos de muitos livros e uma predileção por retórica me deram o dom de sustentar conversas agradáveis. Eu consigo fazer piadas bobas ou falar de Filosofia com alguma facilidade. E consigo fazer as pessoas rirem e se divertirem de verdade.
2 - Eu escrevi um relatório de Milikan praticamente sozinha. Milikan foi um cara muito louco que determinou a carga do elétron com um experimento extremamente trabalhoso em que gotas pentelhésicas de um óleo são ionizadas e depois submetidas a um campo elétrico e magnético - Ou campo elétrico e queda livre - dentro de uma caixinha pequenininha com um papel milimitrado ao fundo. Determinando o tempo que a tal gotinha leva para atravessar uma determinado distância - e repetindo o processo o maior número de vezes até que a gota suma do seu campo de visão - você é capaz - através de uma série de cálculos - de definir a carga do elétron.
Eu escrevi esse relatório praticamente sozinha no Laboratório de Moderna. A nota foi 8,5, mas deveria ser 9 se eu não tivesse tido a brilhante ideia de colocar uma tabela ao final do trabalho sem utilizar os dados com algarismos significativos.
Eu também achei a carga de meio elétron ao final do experimento, mas isso não vem ao caso.
3 - Tudo que eu pego para fazer eu faço da melhor maneira possível. Seja sobrancelha de henna, unhas, desenhos, limpeza. Eu tento fazer da melhor maneira possível. Da mais perfeita.
4 - Eu escrevo bem. Tenho histórias bem legais guardadas em um blog. Tenho facilidade em usar palavras. Em combinar palavras. Em trazer humor a escrita. E eu escrevo desde sempre. Primeiro diários, depois histórias, depois cartas para amigos, depois cartas de despedidas por causa de um pseudo câncer com o qual eu mesma me diagnostiquei, depois blogs.
5 - O meu cabelo é lindo! Sério, é cabelo de unicórnio que só usa Pantene. Ele é lindo e gigantesco.
6 - Eu sou uma boa amiga. Eu tomo as dores dos meus amigos e tento dar conselhos sempre que eles me procuram com problemas.
7 - Eu amo dançar. E danço bem. Desde criança eu tiro um prazer imenso da dança. Lembro das coleguinhas da rua virem para cá e nós nos acabávamos dançando cds e mais cds todos os dias. Eu acredito ter uma facilidade para a dança, mas também tenho vergonha de dançar na frente dos outros.
8 - Eu desenho bem. Poderia ser melhor, se eu praticasse, mas eu creio que desenho bem para quem é preguiçosa.
9 - Eu falo e escrevo em inglês extremamente bem. Não é mérito só meu. Eu tive a chance de começar muito cedo por causa de um casal de velhinhos que alugavam casa para os meus pais. O senhor tinha vários livros de inglês e me ensinou desde que eu tinha três anos. Eu era atração na igreja que meus pais frequentavam.
10 - Eu dei uma aula fantástica usando o Tracker no estágio da faculdade. Fiz um PowerPoint com o Bob Esponja na capa e dentro vários gifs explicando o funcionamento do programa. Tracker é um app legal demais que te permite calcular, por exemplo, a gravidade ou a velocidade de alguma coisa, usando vídeos. Você marca a movimentação de um pixel frame a frame e o tracker converte esse negócio em distância. Daí ele faz os cálculos e também gráficos. (Tem vídeos no youtube da galera calculando a gravidade no Angry Birds, por exemplo)
11 - Eu gosto de explicar coisas. Eu me satisfaço demais explicando coisas complexas que consegui entender para outros. Como, por exemplo, o funcionamento do microondas. Como ele “nasceu” da ideia da criação de um raio da morte na segunda guerra e evoluiu nessa coisinha pequena e prática que temos em casa que usa campos magnéticos para mexer com a dipolo água, e desse jeito esquenta nossas comidas e não nossos cérebros.
12 - Eu amo resolver problemas no trabalho. Minha maior satisfação é ter uma pilha de coisas para fazer e conseguir resolver cada um deles, por mais complexos que sejam, sozinha ao longo do dia.
13 - Eu amo animais. E ajudo todos os que posso. Sempre que o dinheirinho permite.
14 - Eu consegui entender Nietzsche sozinha - E também sei escrever o nome dele sem precisar do Google. Quando digo sozinha quero dizer através da minha própria pesquisa e curiosidade. Sem ser obrigada. Tive conversas extremamente legais no Reddit na sub de Filosofia que me auxiliaram demais. Conversas que eu não me achava capaz de ter, sobre coisas que eu não me achava capaz de aprender.
15 - Eu consigo rir da minha desgraça. Às vezes até mesmo durante a desgraça. O terapeuta sempre dizia que eu ria enquanto chorava e fazia piadas com o choro também.
16 - Eu fico bonita chorando.
17 - Quando alguém me procura com alguma tristeza para contar eu sempre quero muito dizer a coisa certa para aliviar esse sofrimento.
18 - Eu sonho ser livre. Do medo, da rejeição, da carência. E esse meu eu ideal, essa Casanova de chocolate é tão legal e me faz tão feliz que me afastar dela todo dia com a realidade me faz sempre um pouco mais triste.
19 - Eu sou cheirosa - Em horário comercial.
20 - Eu sou simpática e falo com todo mundo.
21 - Eu sou carinhosa - Ainda que tenha vergonha disso.
22 - Eu beijo bem - Foi o que ouvi dizer.

É um textão e talvez ninguém leia, mas eu precisava compartilhar isso com alguém.
E mais, se você, como eu, se sente geralmente incapaz, desinteressante, pequeno, faz a sua listinha também. Em cima das fezes às vezes existem flores.
submitted by Cintilante to desabafos [link] [comments]


2020.09.06 22:23 cerisedinosaur uma mensagem que você nunca vai ler.

às vezes eu me pergunto: o que exatamente eu tô esperando? quando eu digo a mim mesma pra ter paciência ou que vale a pena aguentar a dor e todas as dúvidas qual será o prêmio pelo qual eu tanto aguardo?
será que, em algum canto do meu subconsciente, eu acredito que nós um dia vamos voltar a ser como antes? quando tudo era mágico e o mundo girava ao nosso redor ninguém podia nos parar pelo menos era o que nós achávamos
nos tornamos melhores amigos por acaso, timidamente desde aquele dia no intervalo da escola quando eu te vi escutando minha música favorita e te dei oi e depois de algumas semanas, sem nem percebermos, nós riamos juntos o dia todo por horas e horas em ligação você me contou seus segredos mais profundos e eu te contei os meus
era engraçado como você não conseguia esconder as suas bochechas vermelhas toda vez que me via ou seu sorriso bobo confesso que eu também sorria pra você
quando começamos a namorar, você me colocou no seu mais alto pedestal eu era sua rainha e você era meu porto seguro nunca fui tão feliz na vida quanto naqueles 3 meses iniciais
parecia tão real tão nítido tão óbvio que seríamos pra sempre
então por que você mudou tanto? por que você me evita agora? você usa a desculpa de que odeia escrever mensagens, por isso responde pouco mas quando eu estou com você, você escreve pros seus amigos sem problema nenhum mais do que pra mim acho que é porque você gosta deles de verdade
eu tento fingir que não percebo mas eu sei que você me liga estrategicamente quando sabe que eu tô morrendo de sono assim não precisamos conversar tanto
mas eu não posso te culpar eu te destruí demais e agora você me destrói acho que é um ciclo, não?
eu ignorei todos os sinais de que nós não éramos o certo afinal, como não poderíamos ser? nossa história se iniciou como a de um filme era tudo tangível demais pra ser mentira
mas talvez não tenha sido falso foi real definitivamente a coisa mais real que eu já senti sei que você também
mas o tempo passa e às vezes só amor não é o suficiente e me dói aceitar que talvez lá no fundo eu saiba que já não tem sentido eu esperar por você
nesse 1 ano que estamos juntos 9 meses foram um pesadelo perdi gente por sua causa fiz escolhas ruins por sua causa e você também se estragou por mim
hoje eu não me reconheço mais e é doloroso olhar pra você e não te ver
é ruim a pressão no peito que eu sinto quando te ligo e você quer fazer outra coisa ou quando eu tento conversar, mas você nunca parece interessado você não pergunta mais como eu estou ou se eu dormi bem
nem mesmo aquelas ligações aleatórias me mandando tomar água que você fazia quando nós éramos apenas amigos nada
eu sinto fisicamente que você já se foi
seus "eu te amo" e declarações não são mais o suficiente talvez o problema seja eu ou nós
eu sempre disse que morreria por você eu só não percebi que eu morri por nossa causa e agora o nosso lindo "a gente" que era eterno
não existe mais
somos só dois corpos que não se conhecem se encontrando todos os dias por rotina dizendo "eu te amo" como um pedido de desculpas ou por simples impulso
talvez eu deva tomar coragem e ir embora talvez eu deva aceitar que você parece muito mais feliz quando eu não estou por perto.
submitted by cerisedinosaur to desabafos [link] [comments]


2020.09.02 00:27 Poliana0401 uma triste historia porem não unica

Quando se sofre um abuso tanto físico quanto psicológico uma das maiores sensações que te consome e te parte em vários pedaços é a de insegurança, medo, muito medo. Eu sei que ñ é para todas assim porem pra mim é essa a sensação q traz. Eu passei por isso três vezes e só na última eu entendi o quanto é bom contar para as pessoas por q contar isso para as pessoa foi como se eu tirasse um peso das minhas costas então eu vou contar as outras 2 vezes por q sinceramente eu ñ aguento mais essa sensação de impotência.
A primeira vez em que eu fui abusada foi por um parente q era muito próximo, tudo começou quando eu tinha uns 8 anos e como as pessoas que me conhecem sabe eu amo piscina adoro nadar e naquela época não era diferente, porem meus pais trabalhavam no açougue ainda e a minha mãe ñ gostava q eu fosse pra lá ai eu ficava em casa sozinha ou deves enquanto com a Ana. Só q um dia o meu tio resolveu construir uma piscina na casa praticamente ao lado da minha e isso foi muito top, só q quando as coisas são boas de mais sempre tem alguém q a destrói. Passados tempo uma tia minha começou a só trazer o filho dela para vir na piscina e ela sempre falava para mim ir junto e minha mãe também falava para mim ir para ñ ficar sozinha, porem esse meu primo é mais velho q eu ele devia ter uns 10 ou 9 anos. Um dia nós estávamos sozinhos e estava chegando no horário do almoço porem ñ ia dar para ninguém trazer almoço pra gente aí ele resolveu fazer. Eu me lembro muito bem desses dia, eu vim buscar a chapinha do meu pai para fazer uma carne até ai tudo certo , só q nessa época eu ñ tinha celular e ele tinha ai enquanto ele preparava a carne eu pedi para jogar no celular dele só q o problema foi que ele me passou o celular aberto em um site de uma mulher se masturbando, e como eu só tinha 8 anos eu ñ sabia o que era ai eu devolvi o celular pra ele e perguntei o que que era aquilo por q eu realmente ñ sabia o q era ai eu ñ lembro o q ele falou porem ele me passou o celular de novo porém com outro vídeo de uma mulher e um cara trançando ai ele falou assiste dá uma sensação boa. Porem eu era inocente e continue assistindo achando que ñ era nada demais aí depois de um tempo eu simplesmente me alimentei e voltei para a piscina e tinha esquecido do assusto. Aí os dias foi passando e ele continuava a me mostrar esses vídeos. Ai eu descobri do q se tratava esses vídeos q ele me mostrava ai eu vi q aquilo era errado e ñ quis mais ficar sozinha com ele e nem ir na piscina com ele eu tinha pegado medo dele. Mais em vez de eu contar para minha mãe achando q ela ia brigar comigo eu só me calei. Ai eu achando q Ñ dava pra piorar o portão da minha casa quebrou ai ele tinha q abrir manual e como eu estava com medo dele entrar na minha casa eu pedi para minha mãe um cadeado para fechar o portão porém ela não sabia o por q então ela ñ deixou, ai no fia seguinte eu acordo com a ligação dela falando para mim ir na piscina por que estava ele e mais um amigo e que ñ era pra mim ficar sozinha em casa por causa do portão ai eu falei q ia me trocar e ir o que enquanto eu estava colocando o meu biquíni esse desgraçado abriu a porta da minha casa ai como eu estava me trocando eu estava nua e ñ deu tempo de eu fechar a porta ai eu mandei ele sair por q eu estava me trocando, daí ele falou ñ tem problema se aproximando do meu quarto e eu estava escondida atrás da gaveta nua mais eu continuei mandando ele embora ai ele foi mais o meu medo só aumentou eu terminei de me vestir e fechei toda a casa por q eu estava com medo dele aparecer de nova mais ele volto e eu lembro de estar sentada no sofá marrom na frente da janela ao lado da tv onde estava passando desenho e ele se sentou molhado por q estava na piscina no sofá q estava na parede, mais eu ñ conseguia olhar na cara dele depois do q tinha acontecido só q ele me chamou e quando eu olhei pra ele, ele estava com a calça abaixada e com o pênis pra fora e eu infelizmente vi essa cena virei a cabeça para o outro lado e falei “agora eu tenho uma arma contra você, sai daqui agora" ai ele volto para a piscina onde estava o amigo dele mais o pior ñ foi isso. Depois disso tudo eu ñ contei para minha mãe por medo dela achar q eu tinha feito algo q levasse a isso, ai as minha notas começaram a abaixar eu ñ queria mais fazer as coisas eu ñ sorria mais eu estava infeliz e isso para uma pessoa q era sempre feliz fica fácil de notar a diferença. Um dia eu estava brigando com a minha mãe eu ñ me lembro o motivo mais foi num domingo estava só eu e ela em casa ai no meio da briga eu falei por q eu ñ estava mais aguentando essa dor esse sofrimento constante ai ei falei “vc sabia q o ***** assiste pornô” ai ela me perguntou como assim ai eu contei chorando tudo o q tinha acontecido e ela ficou triste por eu ñ ter confiado nela para contar antes mais ela queria ir falar com a mãe dele e contar o q aconteceu mais eu ñ deixei ela contar por q a minha família já era dividida e eu ñ queria estragar mais a família ai ela ñ contou porem hoje eu teria feito diferente além de ter contado antes eu teria deixado ela contar para a mãe dele. Mais o lado bom é que ele nunca mais veio aqui e quando veio eu não aparecia e as pessoas me chamavam de antissocial porem eu nem ligava e a minha mãe entendia e sempre esteve do meu lado, e as outras pessoas q sabiam que eram resumida em 3 pessoas também me apoiaram.
A segunda vez eu conto outro dia quem sabe... como as pessoas falam “a primeira vc nunca esquece”, mas eu digo “a primeira foi a que mais doeu”.
Mais a pior parte é que vc nunca vai voltar a ser quem vc era, vc nunca vai perder o medo a sensação de inseguranças que vem todos os dias fazendo com que vc perda a confiança em vc mesma e não consiga sair sozinha sem o medo constante de que aconteça novamente, vc pensa todos os dias em fazer coisas para se machucar porem vc, não faz por q eu sei que tem gente que se importa comigo e sempre vão estar ao meu lado não importa o que aconteça, eu sei que tem gente que me odeia e que não queria que eu existisse porem eu existo e vou provar que eu existo por um motivo que vai fazer a diferença. Eu posso não estar todos os dias sorrindo mais eu tento e é isso que vale, o que vale mais pra mim é ver as pessoas que vc ama feliz. E outra eu sou muito curiosa para não terminar a minha história.
submitted by Poliana0401 to u/Poliana0401 [link] [comments]


2020.08.09 14:16 ImindR Não vejo nada de bom na introversão.

Bom, eu não sei como começar isso aqui mas já digo que não vai ser algo muito fácil de entender, até porque nem eu mesmo me entendo, então, para quem for ler, apenas peço que tente me entender da melhor forma possível.
O motivo desse desabafo é achar alguém ou algo que possa me ajudar a entender o jeito que eu sou para que eu tente de alguma forma melhorar.
Enfim, tenho 17 anos, e a pouco tempo descobri que sou introvetido, isso depois de uma grande e recente lista de pesquisa e testes de personalidades que eu realizei pela internet, eu como minha mãe e irmaõs, sempre achamos que eu só era tímido e anti-social, mas procurei me informar melhor agora devido a uma serie de eventos que me vieram questionar o por que eu sou assim.
Eu sempre me achei bem normal do jeito que eu era, só achava mesmo que eu era tímido e que certos comportamentos viam por causa da timidez em si, não por causa de algo mais abrangente como a introversão.
Para quem está boiando e não sabe o'que estou falando é fácil, pegue todo conceito que você possui de extrovertido (que é uma palavra que conhecem bem diferente do introvertido) e inverte, bom, é basicamente isso, introversão consiste em viver mais dentro do que fora, pensando mais do que falando, planejando mais do que fazendo, sobrevivendo mais do que vivendo.
Muitos dizem que possui inúmeras vantagens em ser introvertido, que pessoas assim mudaram o mundo, e, realmente mudaram, eu não nego isso isso de jeito nenhum, porém essas pessoas tinham um grande diferencial de mim, o fato de eles se aceitarem do jeito que eram.
Eu após ler todo conceito de introversão e ver que simplesmente todo comportamento, ações, reações se aplicavam totalmente ao que eu era, eu entrei num estagio da minha vida que eu não sei mais quem eu sou, não sei o'que devo fazer, não sei a quem recorrer, e isso só anda me trazendo duvidas que estão aos poucos me matando.
Eu não entendo nenhuma das vantagens que dizem que possuem os introvertidos, como uma verdadeira vantagem, para mim são apenas tentativa das pessoas transformarem um comportamento totalmente generico em algo que pareça uma grande vantagem quando na verdade qualquer pessoa pode ser aquilo se ela realmente quiser, um bom exemplo disso é quando dizem que introvertidos são bons ouvintes, e sim, nos realmente somos, mas não por que nos vamos te ouvir e ter realmente algo importante a dizer, mas sim por que a maioria de nós simplesmente ou não diz nada após ouvir alguém falando, ou estão muito ocupados pensando no que dizer que não percebem o tempo passando e no final acabam que não dizem nada, que é o meu caso.
Eu desenvolvi depressão por conta desse comportamento introvertido, sofri bulliyng, perdi amizades, chances de ter algum relacionamento, e diversas outras coisas.
E isso, além de muitas outras coisas só dificultam mais o meu dia-dia, aqui vai uma lista das minhas maiores dificuldades:
- Eu me importo demais com o'que acham de mim e isso me limita a ser quem eu sou, por isso sou muito mais aberto na internet do que fora dela.
- Tenho extrema dificuldade em me expressar, muitas vezes tenho dificuldade até em dizer "eu te amo" para alguém que realmente amo por medo de parecer estranho, até enquanto escrevo isso sinto que não estou me expressando da maneira certa.
- Eu não sei usar muito bem as palavras e muitas das vezes em me embolo na hora de me expressar, por isso acabo planejando o'que dizer, o'que muitas vezes da errado pois isso não passa de uma tentativa de tentar controlar o'que vai acontecer e como as pessoas vão reagir, e bom, todos inclusive eu, sabemos que isso é impossivel e mesmo sendo totalmente coinsciente disso, eu continuando planejando o'que falar em TODOS os tipos de situações para não me embolar no que digo e a pessoa me entender errado.
- Eu não sei manter uma conversa, sinto que simplesmente tudo o'que digo é vago e não deixa espaço paras as pessoas responderem, por mais que o'que eu diga as vezes seja engraçado é sempre vago, a pessoa ri e pronto, resumindo, sinto que não tenho papo pra manter algo fluido com alguém.
- Me sinto burro, não só em matérias escolares, mas também na forma de lidar com situações que muitas vezes são TOTALMENTE normais.
Isso são apenas descrições bem vagas de minhas maiores dificuldades e bom isso tudo se aplica a certas coisas que andam acontecendo na minha vida.
Um bom exemplo é uma garota que conheci do Ceara, conheci ela de uma maneira bem estranha mas enfim, essa garota é a causa de umas das minhas maiores duvidas internas ultimamente pois, é o tipo de pessoa extremamente extrovertida, o oposto total de mim, e bom, o'que eu tenho com ela é basicamente, eu gosto dela e ela de mim (sim, ela gosta de mim, mesmo eu tendo dado essa triste descrição sobre mim anteriormente), e bom essa garota, desde que eu falei isso pra ela, e ela pra mim, ela tem me ligado todos os dias desde 2 de abril que foi o dia que eu a disse isso e ela me disse que era reciproco, o problema nisso tudo é a insegurança que eu SEMPRE tenho antes de atender a ligação dela, eu sempre tento planejar o meu dia todo, pois eu não dizer não pra ela, e ela quer muitas vezes me ligar o dia todo, então invento desculpas pra tentar minimizar isso, mas mesmo assim eu passo muitas vezes, 5, 6 horas falando com ela.
E bom, eu não sei por que ela ainda me liga, eu fico calado 50% do tempo por que eu simplesmente não sei conversar, eu não sei falar sobre o dia, minha vida não tem nada de muito interessante no passado por conta da introversão, eu tenho muita sorte que ela fala muito e as vezes eu acho algo pra falar no meio de tanta coisa.
Muitas vezes eu só queria entender o por que eu ser assim, eu não sei se é algo genetico, se é alguma doença que eu ainda não descobri, mas, em tudo que eu faço que seja contra a introversão, como por exemplo, ficar perto das pessoas, é como se minha mente jogasse contra mim, eu me sinto extremamente exausto, eu quero estar ali, mas é como se eu também não quisesse, e isso é uma das poucas coisas que me estressam no dia.
Eu tenho medo de não conseguir viver a vida que eu quero por causa da introversão, como vou fazer amigos, como vou me relacionar com alguém, sabe, eu sei que isso não é bem o necessario para se ter sucesso na vida, porém é o'que eu quero, mas a dúvida que eu tenho sobre mim, a merda da dúvida que eu tenho todos os dias quando me olho no espelho, e me pergunto quem eu vou ser naquele dia.
As vezes sinto que sou um livro de 17 páginas e todas elas estão em branco, sinto que sou desinteressante, dificilmente tenho história para contar, e, eu não sei como resolver isso, não sei nem se tem como resolver, só sei que isso já tomou conta da minha vida o suficiente.
Se você leu até aqui e não entendeu, eu te entendo totalmente, só peço que tente um pouco mais, e, se tiver algo para falar, por favor fale, eu sinto que realmente preciso de ajudar seja la de quem for.
submitted by ImindR to desabafos [link] [comments]


2020.08.02 22:09 TheGoldenMorn Me sinto um acessório pra garota que eu gosto

Hey, gente! Tentando desabafar por aqui de novo e, bem, cá estou. Bom, em março engatei numa webrrelação (coisa que nunca imaginei fazer) e sempre tive minhas dúvidas em como iria funcionar. Como no começo da pandemia toda relação deveria ser uma webrrelação (em teoria), decidi dar uma chance. Passados alguns meses de muita harmonia e contato, ela voltou a trabalhar no final de junho, coisa que já tínhamos tentado estipular como seria, então eu tinha alguma confiança de que saberíamos lidar com a mudança de rotina.
Pois bem, a coisa tá bem diferente do que eu imaginava. Digo, ela tem o cotidiano dela, tem os amigos dela, a rotina dela e isso não é errado de maneira alguma, é só que... Isso tem me afetado. Ela é rica, bem rica, vive fazendo coisas ricas e comprando coisas ricas. Eu sou um cara de classe média baixa (essa classificação existe?), desempregado, nem bico posso fazer como antes por conta da pandemia, sustentado pelos pais. Então, bom, ela tá lá, trabalhando, curtindo eventos, saindo pra casas de amigos e conhecidos ricos, passeando de lancha, indo pra festinhas e eu tô basicamente isolado na minha casa. Os pais dela são separados e ela vive indo dormir na fazenda enorme do pai no tempo livre. Quando tento sugerir da gente separar um dia "pra gente", conversar, se relacionar, assistir algo, provocar um ao outro, ela diz que acha essa ideia muito engessada, que prefere a gente vendo espaço na agenda e coisa do tipo. Eu super concordo com isso normalmente e é como sempre tentei guiar meus relacionamentos, mas eu percebo que isso não vai funcionar. Não agora.
No fim, ela tá vivendo a vida dela normalmente e eu tô sempre na expectativa da gente fazer algo "como um casal", coisa que aconteceu acho que 3 vezes no último mês. A gente mora a mais de 1000km de distância e as aulas da faculdade dela ainda vão ser retomadas agora em agosto. Me sinto só, mesmo num relacionamento. Já sei o que fazer, com certeza, mas vou tentar ter uma conversa como ultimato e explicar o quanto isso tá me fazendo mal. Eu sei que não deveria ficar pensando "nossa, ela é rica e faz coisas, eu sou fudido e tô sozinho" durante um relacionamento, mas isso acaba brotando na cabeça eventualmente. Quando se tá numa relação, você acaba criando expectativas, mesmo que mínimas. Aquela mensagem de boa noite, aquele compartilhamento de cotidianos e momentos engraçados, faz falta, não dá pra simplesmente a gente ficar no "eu te amo" e não brotar na vida do outro. Ou só brotar quando sobra tempo.
E, vou falar pra vocês, é MUITO ruim tá namorando alguém de uma classe social muito diferente da sua quando você tem depressão/ansiedade. Ainda mais pela internet. Ainda mais quando você é um "fudido" na visão da sociedade e sabe que ela tá cercada de pessoas bem sucedidas. Ainda mais homens bem sucedidos e solteiros. Já tomei porrada demais pra saber que não é só amor que constrói uma relação.
submitted by TheGoldenMorn to desabafos [link] [comments]


2020.06.21 20:43 Wooden_Statistician3 Tudo que falo só piora e só queria que voltasse a ser como era antes

Desabafo. Há alguns meses casei, depois de menos de um ano de namoro. Apressado? Com certeza. Mas as circunstâncias meio que pediam. Ela veio de uma família extremamente quebrada e tóxica. Vivia sozinha há alguns anos, dependendo de auxílios de faculdade, parentes que só sabiam reclamar de estar ajudando, etc. Ela tem depressão profunda, e não tinha nem como se tratar.
Quando a conheci ela estava namorando, mas um namoro só de fachada, pois na verdade ele era abusivo e não deixava ela terminar, sob ameças contra a própria vida por parte, e à vida dela por partes de parentes dele. Durante boa parte da sua vida, a chamaram de feia, estranha, etc. Na faculdade as coisas mudaram, e começaram a enxergar a sua beleza, ficou com vários, mas sua auto-estima baixou tanto ao longo da vida que ela aceitou namorar com essa cara, sem nunca de fato querer, e acabou presa nesse relacionamento por mais de 2 anos.
Eu só tive uma namorada, há mais de 10 anos, e um crush forte até alguns anos atrás, o qual acabou em inimizade total. Sempre percebi que não era interessante pra nenhuma garota, na aparência, e nunca tive qualquer desenrolar pra "chegar". Depois de namorar, tomei gosto, e tentava. Porém do meu jeito tímido e, claro, ineficiente. Anos disso me fizeram perceber que não havia porque eu ficar insistindo em "achar alguém", se fosse acontecer seria no dia-a-dia normal, ou quando eu realmente me melhorasse como pessoa. Foquei então na minha educação e no profissional.
Um dia ela, ainda em namoro abusivo, falou comigo pelo Whatsapp, tarde da noite. O meu racional dizia pra eu ir dormir, pois a pessoa responsável e profissional dorme cedo e acordar cedo (ou assim deveria, pelo que dizem). Mas algo me fez querer falar com ela, mesmo que ainda de forma um tanto fria, admito. Papo vai, papo vem. Como parecia ser só uma amizade, eu falei abertamente com ela, inclusive quando ela perguntou de relacionamentos/crushes passados.
Semanas depois, ela termina o namoro e diz que gosta de mim. Pela primeira vez em muitos anos volto a sentir aquilo que senti no primeiro namoro. E ficamos, e namoramos, e tudo foi muito intenso. E então casamos, para que ela pudesse ter acesso ao meu plano de saúde como dependente e tratar, principalmente, da depressão, pois várias noites a vi chorar pelo seu passado que ainda atormenta o seu presente: ela não consegue nem mais estudar e boa parte das tarefas domésticas ficam pra mim. Mas havia tudo pra melhorar, não havia? Infelizmente, tudo mudou um dia.
Ela acordou e disse que sonhou que eu falava que eu achava aquele meu crush forte (Fulana) de alguns anos antes mais bonita que ela. Depois de algumas horas, como se perguntasse algo banal, ela perguntou se achava mesmo. O problema: eu considero a Fulana bonita, mesmo nível, mas o sentimento que existe é pela minha esposa e, obviamente, ela me é "a mais bonita". Mas ela não aceitava esse tipo de resposta, ela queria que eu respondesse de forma crua. Eu, que sempre procuro ser honesto, correspondi. Como considero as duas de mesmo nível, foi difícil. Conseguia lembrar de momentos onde uma estava mais bonita que outra, mas não chegava a "vencer". Uma certeza eu tinha, e continuo tendo, minha esposa tem a maior capacidade, ou seja, consegue ser a mais bonita. Mas ainda assim minha resposta não foi suficiente: ela dizia que eu estava enrolando, com medo de dizer a verdade. Não entendi do que deveria ter medo afinal, pra mim, a resposta mais direta e crua não fazia a menor diferença nos meus sentimentos para com ela. E, se eu estivesse raciocinando direito eu teria percebido a armadilha bem ali na minha frente, mas eu caí nela quando ela novamente exigiu a resposta direta e crua: ou ela ou a Fulana. E eu falei a Fulana.
E, de repente, ela começou a me atacar. Dizendo que eu acho a Fulana "linda e maravilhosa" e ela feia (quando pra mim ambas tão no mesmo nível, e pra mim ela vai ser sempre a mais bonita, pois é ela que eu amo). Que meu sonho era que tivesse dado certo com a Fulana, mas que ela foi o que deu (quando ela, e somente ela, que conseguiu reacender meus sentimentos, mesmo quando tudo dizia que não valia a pena sonhar com isso (afinal ela tinha namorado, etc.). Eu tentava explicar meus sentimentos, mas nada adiantava. A frustração, a angústia tomou conta e então, a raiva. Raiva de como algo que estava morto no passado, voltou pra me assombrar. Raiva de que algo completamente irrelevante no meu presente, e portanto nosso presente, estava ali, destruindo nosso casamento. Pois ela começou a querer ir embora, anular casamento, se separar. E na tentativa de melhorar as coisas, eu sempre piorava. Acabei falando palavras (que pra mim não teria tanto significância se ela dissesse), mas infelizmente pra ela tinha: disse que ela estava sendo "idiota" por insistir tanto nas afirmações desses ataques e desconsiderar completamente o que eu sinto e falava. Só estava tendo "amenizar" a situação, segundo ela. E que no fundo, eu queria alguém """melhor""" que ela.
Isso foi uma tarde. Ela eventualmente parou quando percebeu o quão mal eu estava. E claro que eu estava. A pessoa que eu amo e por quem eu faço tudo, praticamente "inventou" um motivo pra me atacar. E daí que numa análise crua e racional, naquele ponto específico da história, a Fulana havia "vencido" no concurso de beleza entre as duas. Grande bosta. Minha esposa continuava sendo bonita, e pra mim e meu amor, a mais bela. Era ela que realmente havia gostado de mim, era ela que quis casar comigo, era ela que me acompanhava nos filmes de sábado à noite, era ela com eu me via vivendo pra sempre do lado. E de repente, parecia que nada mais disso iria se tornar realidade e por quê? Por algo que nem ao menos mudava o que eu sentia em relação a ela e nunca iria.
Durante o final da noite, eu tentei dormir, mas não conseguia. Tentei assistir vídeos de "como lidar com a pessoa amada em depressão". E ela começou a chorar do meu lado, muito. Larguei o vídeo, abracei-a. E ali as gentes se aceitou novamente. Ou assim parecia, porque poucos minutos depois, ela pergunta, inocentemente, se eu acho minha irmã mais bonita que ela. E o fato é, se eu dissesse que não seria uma bela duma mentira, e mesmo que eu achasse, ela diria que eu estava falando aquilo só pra agradar. E eu, O idiota, achando que estava tudo bem de novo, respondi que sim. E novamente ela começou a me atacar. E POR CAUSA DA MINHA IRMÃ!?
Atualmente eu me considero forte pra aguentar essas coisas, mas não dava mais. Ela quebrou minhas defesas com esses ataques. E tudo que ela me falava soava como "EU TE ODEIO". E eu aceitei esse ódio dela, pois, afinal, ela devia estar certa. Eu sou uma pessoa com 30 anos, aparência ok, mas que não tem amigos e só teve uma namorada antes dela. É óbvio que tinha algum problema, o problema de que eu era detestável. Eu sempre tentei demais ser prestativo e tudo mais, mas quando o assunto são sentimentos eu nunca consegui transmitir isso. Abraço minha mãe quatro vezes ao no: aniversário dela, o meu, dia das mães e natal. Sempre um abraço bem "desengonçado". Eu noto isso, mas sempre foi assim, e eu não sei mudar. Eu sei o que eu sinto, mas minha demonstração é e sempre vai ser insuficiente. E por isso todos ou acabam por me detestar ou se afastar de mim. Mas eu realmente pensei que com ela seria diferente.
Alguns dias se passaram e as coisas até foram melhorando. Até que cai tudo de novo. Ela conta pra uma pessoa, que mal conhece, que eu achava que ela na praia não ficava tão bem quando dentro de casa. Sim, eu havia falado algo do tipo, quando no começo da discussão ela pedia pra eu ser mais direto. Oras, ela tem umas manchas, gordurinhas a mais, etc. do que a fulana. Eu me sinto menos bonito do que um cara que não é assim, mas nem por isso me acho feio, ou ache vou sempre ser inferior. É só eu cuidar disso. E se não cuido, é porque tenho outras prioridades. Da mesma forma com ela. Não acho ela feia, nem menos bonita, só relatei o óbvio. E se ela não quiser cuidar, ou não conseguir cuidar, não é problema pra mim. Eu casei com ela pelo pacote completo. E assim como eu, ela também vai com o tempo perder pontos na aparência. E assim como eu, espero que ela ainda me ame, ainda me ache bonito, com eu continuarei amando ela e achando bonita. Mas não importa eu falar isso. Pois ela quer sempre dizer que tudo isso que eu falo é balela, enrolação, agrados, etc.
Pelo meu jeito detestável de demonstrar sentimento ela perdeu totalmente a confiança nos meu sentimentos, a ponto de nada o que eu falo valer mais. Ou talvez, no fundo, ela espera que eu seja pra sempre tão bonito quando ela acha atualmente, e quando eu não foi mais, ela vai me trocar por alguém que envelheça melhor. Mas se eu falo isso pra ela, ela bate o pé pra dizer que pra ela é completamente diferente, que o sentimento dela é real, mas que o meu? O meu é de mentira, porque assim ela decidiu. E ela ainda diz que eu mereço alguém ""melhor"". Mas o fato é, que ela se estiver certa, o que eu mereço é desaparecer. Pois o meu eu que ela odeia, é o único eu que existe. E se ela não é capaz de amar esse meu eu, e insiste em brigar, está mais que na hora de ela admitir o que está bem na frente dela: ela não me ama. Não mais. Só espero que não tenha sido nunca. Porque pior que ver tudo se destruindo e não poder fazer nada, pois nada do que eu falo impede, pelo contrário, piora, e ficar calado não é opção, então que pelo menos não tenha sido tudo uma mentira.
E hoje ela do nada veio falar que tá com medo de engordar, pois, segundo ela, eu falei que iria querer outra se assim acontecesse. Eu nunca falei isso, assim como nunca falei outras coisas com as quais ela vem me atacando. Mas o pouco que eu digo, se transforma num muito na cabeça dela. Eu não aguento mais. Eu peço pra ela parar, mas ela insiste em, nas palavras delas, "me colocar contra a parede pra botar as verdades pra fora". Mas do que adianta isso, quando ela já decidiu o que é verdade e o que é mentira? Nada, e por isso eu só queria que ela parasse. Que não pelo amor que ela supostamente sente por mim, mas pelo menos em consideração a tudo que eu fiz por ela.
Pois agora eu já não sinto nada. Um nada que não me permite nem ao menos dizer o que sinto por ela. Mas enquanto eu quero acreditar que ainda amo ela, ela insiste. Eu novamente pedi pra ela parar, e afirmei que não sei mais se gosto dela, mas que se ela realmente me ama, ela tinha que parar, e me deixar sentir novamente. Mas meu medo é que ela continue (ela está passeando com uma amiga nesse momento), pois se ela continuar o pior vai acontecer. O amor vai virar ódio. A vida vai virar morte. Figurativamente (apesar de temer, e muito, que aconteça literalmente para ela).
submitted by Wooden_Statistician3 to desabafos [link] [comments]


2020.06.02 01:55 cyberxaman Espero que o mundo mude, e que a situação melhore, mas o que mais quero é que você entenda, quando digo que ainda que eu não te conheça, apesar de talvez jamais encontrar você, rir com você, chorar com você ou beijar você, eu te amo de todo coração, eu te amo.

submitted by cyberxaman to desabafos [link] [comments]


2020.04.10 00:44 CabacinhoBreaker Conto: Carta Para Zeca

Quanto tempo leva para uma reflexão tomar forma dentro do circuito do pensamento emotivo? Emoção é a reação do que afeta direta ou indiretamente o nosso campo de sensores que são vastos, digo isso para todos aqueles que creem no invisível e que salta aos olhos como uma silhueta na escuridão. Está tão perto e tão latente mas, qual a medida para entender tudo isso? A razão é a balança dos aflitos que velejam numa nau à pique.
Zeca observava o mundo de longe certo de que estava antes daquela vírgula da existência, essa que faz refletir, protegido no receptáculo de sua antena parabólica ficava estático ele mesmo, assistia a novela de Rebeca sua vizinha, nascida de dias e com uma mãe desastrada. Batia de lá e de cá seu corpo mas nunca deixando a recém nascida amassar nas portas, embora parecesse que o pai quisesse. Zeca já tinha testemunhado o pai, grande e corpulento, de olhos fundos e nariz perfurante, olhando para a mãe, passava para Rebeca, e parecendo um surto de arrependimento da existência da menina, fechava a porta na cara da mãe. Ela não prestava, e parecia um vegetal, ele era quem dava energia para uma casa toda com seus dedos que pegavam o que queria na sua geladeira fedida; seus pés descalços que descarregavam toda uma tensão da casa, o que Zeca achava engraçado, se pudesse passar a navalha nesse calcanhar invisível da mágoa ele desjuntaria o pé inteiro.
De conversa com ela uma vez Zeca insistiu no motivo de ela estar onde estava, a mãe olhava a menina com uns olhinhos de jabuticaba que dava brilho no canto, daí olhava para o chão e virava o olho para dentro buscando uma saída do que ele não podia evitar, daí lançava a mão parecendo que ia descolar do corpo, mole de lado, dizendo que quem sustentava a casa era ele e Rebeca era uma inspiração de vida! Desse jeito mesmo que saía, ela botava tanta convicção que as palavras vibravam quando saiam de sua boca, a última até parecia uma moeda que estava debaixo da língua e escapou sem querer. Olhei nos olhos dela, rasos.
Agora Zeca insiste em tomar uma dose de verdade todo dia, recolher todas essas moedas que caem dos olhos e das bocas de seus amigos, juntando tudo um dia talvez ele compre a tão sonhada liberdade que ele persegue de dentro de seu barquinho.
“Mandai a faísca de um raio pra me iluminar
Segura pedra na pedreira não deixa rolar
Xangô, Kaô meu pai
Seus filhos bambeiam mas não caem”
Zeca
Carta Para Zeca
Olá meu querido amigo, como você está? Espero que bem.
Eu estava mexendo nuns papéis antigos e reli uma crônica que você me fez 3 anos atrás, lembrei tanto de você esses tempos que resolvi escrever.
Hoje é dia 24 de dezembro e está um calor danado aqui em São Bernardo, me mudei para o Silvina depois de uns dois meses que a Rebeca nasceu e foi uma das melhores coisas que fiz; a casa é bem maior, porém fica bem perto do ponto de ônibus lá na ponta do morro.
Por falar em Rebeca ela não para mais. Anda de um lado pro outro Zeca como se fosse a rainha da casa, pega as panelas e bate tudo no chão. Devaldo nem liga mais depois de comprar a quinta, e eu não faço questão também, ela precisa de brinquedos e eu me viro como posso sabe?
Falando nele, sua crônica foi importantíssima para mim Zeca, você sempre me estimulou a escrever e só fiz isso agora, depois de anos, porque me sinto muito mais segura e motivada. Ainda lembro de cada palavra sua. É claro que é meio desconcertante também, você escreve tão bem e eu não sabia nem articular o que se passava dentro de mim, agora vou te falar, da melhor forma que eu encontrar.
Devaldo parecia que tinha desistido de tudo, aquele jeito turrão e mandão dele de ser passou depois do primeiro ano da nossa filha, eu agradeci muito à Deus, mas ainda faltava alguma coisa sabe? Ele parecia fantasma dentro de casa Zeca, a gente não tinha brigado nem nada e ele me procurava bem pouco para fazer amor, dizia que a rotina do serviço estava acabando com ele mas eu não precisava me preocupar com nada, que focasse na pequena pra ela não ficar que nem as “meninas do pé do morro”. Elas gostam muito de transar Zeca, e com qualquer um que passe no pé do morro, qualquer um; eu já vi elas no mato e não vou nem dizer como porque quero esquecer.
Depois de ver aquilo dei razão pro meu marido, e mesmo ele me tratando um pouco melhor ainda não era o meu ideal, ele foi meu primeiro homem e eu esperava tanto dele, mas seus problemas sempre futucavam nosso lazer; fim de semana tinha um extra no serviço que era imperdível, mais seis horas longe de sua família, o que virou rotina depois de um tempo fazendo isso; pegou confiança e virou o ponta firme na firma que não faltava em nada.
Quanta decpção. Quando Rebeca fez um ano que desastrou tudo, ainda bem que tenho meus amigos lá do morro pra me dar assistência e fumar um né? Quem tem filho fuma também, não me julgue.
Eu acostumei não ter mais a presença dele em casa aos poucos, Rebeca sempre foi bem quieta e não me tomava muito tempo para o cuidado, mas isso porque amo essa menina e nunca me deixou nervosa. O fato é que comecei a me sentir bem sozinha, e carente sabe? Sem nenhum contato. Eu procurava Devaldo e ele nem aí pra mim, até que um dia aconteceu um troço inesperado Zeca, eu tinha mensagens de um crush do ônibus que queria porque queria me conhecer.
Não me julgue por falar o que vou falar. O nome dele era Jonas e disse que queria me conhecer, eu falei que pessoalmente não, mas a conversa foi rolando, eu disse da minha filha e ele me mostrou a dele, uma mulher já de dezesseis anos toda formada, o cara era “velho” e eu tinha vinte. Claro, não mencionei Devaldo pra ele.
Ele me dava toda a assistência que eu estava querendo, perguntava como foi meu dia, me ouvia, e a gente conversava sobre tudo Zeca, só achei uma coisa estranha. A primeira vez que ele me ligou achei super esquisito, sabe aqueles homens que tem a voz bem fina? Era a dele, mas chegava a parecer uma garota em certos momentos. Achei estranho mas foi só impressão.
Jonas não me faltava em nada, ele me fazia sentir como se fosse uma menininha de novo, ás vezes eu até esquecia que tinha um marido em casa Zeca, cheguei até a olhar pro Devaldo pensando nele, nas fotos que me mandava… sinto vergonha disso mas é a verdade. Mas também nunca fui tão fundo assim com ele, por mais que fosse gostoso eu não conhecia ele de fato e não ficava mandando fotos nem nada, mas me deixava num fogo que eu virava um rio.
Depois de uns quatro meses na conversa eu criei coragem e fui atrás dele, chamei para marcar um encontro e liguei né, ele esperava tanto por esse momento que o telefone quase não deu o primeiro toque. “Eu preciso te contar uma coisa antes da gente se ver”. O que era agora já que ele queria tanto? Esperei os trinta segundos mais longos da minha vida até que ele despejou tudo sem ensaio. Eu sou mulher.
Foram só três palavras, mas me deram uma rasteira literal, eu que estava em pé caí sentada no chão da cozinha Zeca, eu não podia acreditar. Fiz muitas perguntas e ela me respondeu todas com muita calma, apesar da minha revolta. Me disse que realmente pegava ônibus comigo e me achou linda, e depois de uma visita no face chamou um amigo dela, o Jonas. Ele fornecia tudo em tempo real, mas nos telefonemas e áudios era ela mesma.
Falei várias vezes pra ela que não gosto da mesma coisa que tenho no meio das pernas, não vejo graça Zeca. Ela ficou super triste, ainda mais quando teve que me passar o telefone do Jonas de verdade, queria pelo menos conhecer o cara que me apaixonei. Já faz um tempo que isso aconteceu e mesmo assim ainda lembro vez ou outra, me enganaram de uma esdruxula e me lembro exatamente como me senti.
Me lembrei de você e tudo que me dizia, tentei descrever o que sentia. Você já passou por isso; você passa uma noite inteira na rua, sozinho e com frio, e encontra um cantinho pra encostar e cochila por lá mesmo até o Sol começar despontar e tocar sua pele, te aquecendo aos poucos até brilhar bem forte e você voltar pra casa. Eu voltei para casa Zeca.
Deixei tudo isso de lado e pesquisei sobre aquilo que você me falava sempre, que a vida é efêmera e é importante viver bem; hoje entendo o que você me dizia. Fui nessa semana também no lugar que recebem os espíritos que você ia, me pediram para ter juízo olha só! Eu não discordei, até gostei da sensação que me trouxe.
Eu comecei a prestar mais atenção em casa depois do que aconteceu, e tive mais coragem para me abrir e falar com Devaldo, ás vezes eu só precisava estimular ele um pouco, e com o tempo ele foi me olhando de outra forma, viu que podia cofiar em mim como parceira; o stress do trabalho até diminuiu e o tempo dele lá também, começamos uma fase tão bonita Zeca. O espaço que ele preenchia com seus dedos agora tinha um toque mais sutil, e mesmo que o hábito ruim de olhar o telefone do outro tinha ido embora fazia um tempo me bateu uma curiosidade. Descobri que ele me traiu duas vezes com a mesma pessoa, ele transou com outra.
Não falamos disso nunca, ele não sabe que sei e eu não guardo rancor, ele se arrependeu nas mensagens com a garota e depois que as coisas melhoraram entre a gente me sinto muito mais feliz. Não vou dizer que o amo, mas me sinto apaixonada por ele cada dia mais, estamos nos descobrindo juntos Zeca. Não vou tomar mais o seu tempo, só queria dizer que o canto que você morava está muito bem iluminado agora.
Ontem o Pepeu me chamou pra fumar lá no escadão e disse que tinha uma surpresa, e que surpresa Zeca! Enquanto a gente fumava olhando pro Montanhão ele começou a iluminar todinho, foi ascendendo de baixo para cima, nunca vi ele tão bonito. O morro agora tem luz na rua.
Não me aguentei, olhei pra cima e comecei chorar quando vi que a Lua se encaixava bem na ponta do morro, parecia até que tinha sentado no campinho de terra; a árvore de natal mais bonita que montaram pra gente meu bem. Pepeu chorou comigo, dava pra ver os bracinhos balançando lá da ponta do morro de alegria.
Você faz falta Zeca, tiraram sua vida tão curta cara, mas como você mesmo diz, a vida é efêmera. Vou guardar sempre no meu coração a lembrança de cada momento e prometo abrir a mente de alguém com o que você me ensinou, e me ensina ainda. Vou queimar essa carta no pé do morro, quem sabe um dia quando você passar por lá veja todas essas palavras na poeira.
Te amo meu amigo.
submitted by CabacinhoBreaker to EscritoresBrasil [link] [comments]


2020.03.13 02:59 user76_rule SO pra deixar claro pra mim mesmo

É noite não consigo chorar de tanta tristeza e solidão mais tem algo a mais um sentimento amargo que faz minha alma tremular e meu coração apertar é algo agoniante talvez seja porquê minha mãe não liga mais pra mim ao ponto de nem me chamar para jantar as vezes nem deixa comida pra mim, então pego uma garrafa de água e vou para meu quarto me agonizar até dormir o dia até que da pra tolerar os falsos sorrisos e a falsa atenção em uma pessoa triste isso é oque eu ganho quando me esforço para agradar eles. Estou assim a tanto tempo que eu estou desesperado, gritando sozinho por dentro e degustando aquele sentimento amargo a cada segundo que passa, tão sozinho eu pensava que se agradasse a pessoa de quem eu quisesse amor ela iria me abraçar me proteger me perguntar se eu estou bem nao por quê estou doente não por que estou chorando mas porquê ela quer se certificar que não há nada de errado com a pessoa que ela ama. Mas isso mudou por um simples fato niguem liga pra esses sentimentos, não sei por qual motivo mas todos só lembram da minha existência quando vem ao acaso ou quando nesesitam de algo para seu próprio bem. Fico pensando alguem nessa merda de mundo irá perguntar se eu estou bem porquê me ama?

Mesmo que a pessoa que me ame falsamente mesmo que eu lhe cause algum problema eu tenho um sentimento se culpa é fico me agonizando mesmo nao sendo amado de verdade. Oque difere uma pessoa que faz o bem por que quer ser do bem e uma pessoa que faz o bem por que ela acha aquilo algo mais comum do que RESPIRAR? Quando vejo uma pessoa me escutar sem prestar atenção no que eu realmente digo eu simplesmente me sinto como não existisse de verdade, quando vou dormir repenso como seria se eu fosse alguem importante é como as pessoas iriam me escutar de verdade que quando me do de conta eu me choco com a realidade dura e seca isso nunca irá acontecer é isso dói, magoa e me machuca, tão angustiado que tento chorar mais nao consigo pq querendo ou nao eu sou otimista e quero acreditar que alguem realmente me ama mais ainda com esse pensamento aquele sentimento amargo de angústia, solidão e nao amor próprio me fazem derrubar algumas lágrimas.

É como um filme de drama que conta uma história de superação com muitas quedas e que se resulta numa volta por cima triunfante mais a realidade é que eu nunca irei me levantar só irei mais fundo, mais é mais fundo nessa profunda e angustiante solidão, alguns dizem que Deus tem um plano pra cada um de nois se o caminho é dificil é perigoso é por que ele sabe que iremos percorrelo até o final, mais i se esse caminho for de mais ou impossível de uma forma que a pessoa simplesmente não aguente mais deus quer mostrar oque com isso fazendo a pessoa sofrer tanto para se superar e ficar forte ou só pra ajudar no caminho de outra pessoa deus é egoísta por nao dar um caminho razoável para nós ele só da um caminho cheio de buracos e monstros a frente e espera que nós passemos para enfim ser uma pessoa melhor. Do que adianta cair e levantar se existe uma coisa nos esperando no final, se nem os familiares ou amigos iram se lembrar de nós oque realmente permanece é a ideia de nós mesmos, em outras palavras que nós sempre relembremos que nós vivemos como pessoas e nao como simples animais sem raciocínio.

Depôs de escrever um pouquinho e desabafar nao consigo sorrir mais estou melhor nao sinto aquele aperto no coração e nem minha alma tremular, talvez seja temporário mas ja é bom o bastante para me fazer lembrar que a vida nao é só desafios de superação e que tem descanso, diversão, e satisfação de conquistar algo. Sinto que conquistei uma paz mesmo que seja pequenininha eu a conquistei escrevendo e desabafando aposto que eu terminar e ele tudo isso eu irei mergulhar num sentimento de êxtase e por um breve momento um pequeno e próspero momento um broto de sentimento que será um chave para a paz que busco nesses sentimentos amargos e angustiantes, se isso é depressão é uma mera representação da perda de amor próprio a verdadeira depressão é quando vc não se sente vivo o bastante pra raciocinar o próximo passo para tentar seguir em frente.

O vazio não é algo facil de curar já que ninguém presta atenção em você, ser ignorado me fez perceber que só a um jeito de conseguir o amor de uma pessoa e é olhar em seus olhos e sentir a alma dessa pessoa e pra isso você precisa encontrar ela, e esse é o problema é simplesmente deprimente o fato que você talvez não encontre essa pessoa, e ai vem o vazio.voce tenta se distrair com outras coisas tenta ficar proxima de uma pessoa que você nem gosta só pelo medo de ficar sozinho. Ai vem mais uma merda do mundo a decepção de saber que a pessoa que você acha que gosta não é a pessoa que você mataria pra estar junto, você se sente magoado e com rancor das várias merdas que você fez para poder agradar sua amada(o).

Falar que está com fome e ainda assim sua própria mãe te rejeitar é ignorar é profundamente triste e uma sensação de abandono e de desaprovação. Agonizante eu diria mais aquelas noites são irreparáveis sempre me lembrarei que chorava até não ter mais vontade de chorar e até me restar a agonizar de tristeza e solidão até dormir.
Porque precisamos fazer boas ações para ser uma boa pessoa e para lembrarem que existimos se nós só queremos um abraço e que nós digam eu te amo do fundo do coração mas invés disso oque eles dizem é " Não fez mais que a sua obrigação " eles não tem idéia do quanto isso é desicorajador para nós apenas uma obrigação?? Fizemos isso pra ganhar seu respeito, amor, e carinho!!! Só queremos a devida atenção e ajuda e o amor que todos mereçem.

Dizem que se dormir virado para o lado direito você terá um bom sonho mas também dizem que se dormir para o lado esquerdo você terá pesadelos poisé eu nao consigo dormir para o lado direito nao sei oque pode causar isso mais eu devo ter medo de algo como não poder tornar um sonho bom realidade só consigo dormir para o lado esquerdo e ter pesadelos porque eu só consigo dormir assim tenho medo de sonhar algo bom e acabo não sonhando.

Qual a ultima vez que eu recebi um abraço por puro amor só pra lembrar que está tudo bem, não lembro nem sei se já recebi algo do tipo nao quero ser muito depressivo mas é foda, niguem se importar com vc ao ponto de te ignorar ou nem lembrar de vc, certa vez conversa com meu "amigo" sobre fanfics enquanto eu fala sobre a minha ele demonstrava puro desenterece, mais quando era a dele e só queria se mostrar superior e que eu era patético, e tambem que nao era nada. Aquele sentimento me preencheu ao vazio do nada fui forte ao segurar o choro mas eu prometi a mim mesmo que nao me importaria mais com isso mas contínuo me importando mas não me permito chorar porquê eu nao aguento mais.

Só tristeza e dor e mais dor, não estou sendo egoísta falando sobre mim e o quanto me odeio e o quanto minha vida é uma bosta eu só quero desabafar me espresar como me sinto e tentar acreditar que isso tudo vai de alguma forma mudar.


MELHOR DIZENDO NAO TEM COMO FALTAR ALGO OU ALGUEM SE EU NUNCA VOU TER E NEM TIVE. ;-;
submitted by user76_rule to desabafos [link] [comments]


2020.03.09 21:04 9Kyle99 Era você! Tenho certeza (ou não). Vi um "quase" você no ônibus hoje.

O ônibus estava lotado, eu estava sentada no canto e ele parou em frente ao banco que eu ocupava. Eu estava perdida em meus pensamentos olhando pela janela mas, de repente, me deu uma súbita vontade de olhar pro lado. E foi aí que eu vi você, digo, ele. Prendi o ar involuntariamente enquanto sentia um friozinho na barriga e engolia a saliva a seco. Fiquei atordoada com tal verossimilhança. Até a charmosa cicatriz na testa estava lá. Recuperei o fôlego ao desviar meu olhar do rosto dele. Putz! Me apaixonei de novo.
Eu realmente espero que essa nova versão de você não seja a tua naturalidade. Pq você não é o cara que eu conheci no início do ano passado, e posso afirmar isso com inúmeros exemplos que você julgaria como drama. Não consigo acreditar que por trás desse olhar risonho tenha tanta indiferença e contrariedade. Quero estar errada, redondamente errada quando você disse, no dia 27 de Dezembro do ano que passou, que faria de tudo pra manter nossa amizade caso rompessemos; e então mal me dirigir a palavra. Quero estar errada em imaginar que você se adaptou a mim, moldando tua personalidade a minha para que eu gostasse cada vez mais de você. Quero estar errada sobre todos os "amo você" que hoje parece que foram ditos da boca pra fora.
Quero estar errada sobre você dizer que acha que não queria namorar, quando eu tentei reatar, sendo que estávamos furunfunfando sério há apenas 2 meses. Eu quero estar redondamente errada sobre você ter se esforçado tanto para conquistar o que hoje sinto por você e encarar isso como se eu fosse um troféu. Quero estar redondamente errada pelo teu comportamento hostil nas semanas que passaram. Eu quero estar errada, meu bem, pq você não parece o cara que eu conhecera. Eu adoraria estar errada. Espero que isso seja só uma fase ruim na tua vida. E que você fique bem logo, mesmo que seja longe de mim. Vou terminar este texto dizendo a mesma coisa que você disse quando eu quis ir embora da sua vida: "Eu te conheço. Você não é assim. Você não é assim."
suspiro
Edit.: Sinto sua falta
submitted by 9Kyle99 to desabafos [link] [comments]


2020.03.02 18:14 Mrbingshlong Bjs

Me lembro, ano passado, parei num pipoqueiro pra pedir uma provinha. (Geralmente levo pouco dinheiro e quando saio da faculdade fico com fome e sem dindin Pra comprar comida kkkk)
Eu não sei muito bem como, mas começamos a conversar. Ele me perguntou o que estudo (psicologia) então ele contou como ele acha que é balela e desnecessário etc. continuamos no papo e, embora no início achava que ele só falava besteira, quanto mais eu penso no papo, mais eu acho que ele tinha razão. Uma coisa que ele disse ficou preso comigo até hoje. Não me lembro o contexto, mas foi algo do tipo: “o ser humano e ganancioso e vive procurando a fruta proibida no mundo externo, sendo que sempre estava dentro de si, no interior”.
E essa é a mais pura verdade. Abusei muito desse sub. Vivo fazendo perguntas aqui e me desabafando. E de fato amo muito, eh bom porque você acaba conversando e socializado, vc acaba fazendo um monte de amizades, mesmo que alguns sejam efêmeras.
Mas parece que eu vivo em busca de sentido. De validação, confirmação, aprovação de que aquilo que quero dizer e aquilo que quero fazer, seja a escolha certa. Que alguém por aí, mesmo sendo um joao minguem, concorda comigo. Costumo desconfiar da minha voz interior. Eh como se a criança interior aguardasse alguma ordem ou pedido para agir. Percebi como continuo dependendo de afirmações para progredir, em vez de, bom... simplesmente ir e tentar fazer.
A verdade é que não temos como saber como as coisas se desenrolarão. Não tenho como prever o que acontecerá até o final do ano de 2020.
A única coisa que sei de verdade é que não posso continuar reclamando e me desabafando aqui sendo que nunca me movo em direção à progressão. Só vivo falando que vou, mas raramente vou. E quando vou, já quero ir embora. (Aliás.. acho que todas essas férias fiquei o dia inteiro em casa, deitada na cama e assistindo filmes. Até que foi muito bom.)
Mas como vai ser se eu continuar assim? Sempre esperando algo. Alguém. Nunca ser a primeira a simplesmente se mover. Preferir me manter enquadrada naquilo que acredito que sou, por medo de sobressair. Por medo de falhar ou por medo de evoluir? Por medo da incerteza. Por medo de quebrar a cara. Por medo de passar vergonha. Por medo de ser vista. Por medo de existir. Ser o centro da minha atenção. Não no sentido pejorativo. Mas começar a simplesmente ser, pra mim. Por mim.
Quantas listas que já fiz, de coisas que digo que quero fazer mas nunca faço. Por que? Vivo repetindo o mesmo padrão. Continuo viciada na internet. Mas não boto o pau na mesma e começo a ser. E é muito mais fácil reclamar, mas a verdade é que sempre há uma escolha; livre arbítrio e algo que todos nós temos e renunciamos ou então fingimos que não existe mas sou que eu sempre escolho ficar presa. Estagnada. Não e minha mãe. Não é a faculdade. Não é o prédio. Não é o apartamento. Não e a rua. Eu.
E como o pequeno príncipe disse: “o adulto nunca está feliz aonde está”. E não é nem o fato de não ser grata por aquilo que tenho, e o fato de não querer assumir responsabilidade por mim mesma.
Essa que e a doideira. Geração canguru. O povo que não quer ser dono de si. Que reclama da solidão mas não sai de casa nem pra comprar papel higiênico. Que tá tão preocupada em salvar o mundo mas é incapaz de arrumar o próprio quarto - essa sou eu.
E entre muitos, tendo a perambular pelo mundo de meia boca, esperando a morte seguramente. Não arrisco então não sofro, mas também não desfruto.
Mas tá na hora de começar. Só ir. Quem disse que precisa ser perfeito? Fazer tudo aquilo que gosto de fazer e rejeitar com graça tudo aquilo que desgosto.
Afinal temos a escolha, não é? Tudo de ruim que acontece na vida pode ser um fardo ou uma benção. Como disse Albert einstein (se é que realmente disse: “em meio de dificuldade há oportunidade.” Uma oportunidade de recomeçar. Uma oportunidade de mudar de direção. Afinal só temos uma vida. De fato.. só uma vida. Uma única. E viver bem não e fazer sexo adoidado, ir em festas todo o final de semana e se desgastar até você um dia descobrir que ta com câncer de fígado kkk não... Viver bem e finalmente assumir a si mesmo, e é fazer tudo aquilo que te traz prazer e te faz desenvolver, mesmo que não seja perfeito de hoje para amanhã, e é algo que tenho prorrogado por décadas.
Sinto que esse é o mal da nossa geração: queremos tudo pronto pra ontem. Quero acordar amanhã e ter a vida perfeita. Mas as coisas mais belas e duradouros precisam de tempo pra florescer. Exigem trabalho. E paciência é uma virtude que certamente ainda não aprendi a ter, mas é algo que gostaria de ter. Sem desafios não ha lições e sem lições não amadurecemos.
Pra concluir, Uma coisa é certa: não posso continuar minha vida toda me escondendo, principalmente de mim mesmo. Não posso continuar temer sentir dor, vergonha, feiúra, exclusão, seja o que for. As coisas não irão progredir enquanto eu só fico sentada no sofá assistindo vídeos no YouTube do tipo “como parar de procrastinar”. Não posso continuar dizendo que quero mudar, e não mudar. Só da pra mudar, fazendo.
Nao posso continuar minha vida temer ser rejeitada e portanto, me rejeitar primeiro. Ou temer de ser abandonada, e portanto, me abandonar primeiro. Preciso começar a não me abandonar e rejeitar, de verdade, e não de boca pra fora.
Dor e prazer - são dois lados da mesma moeda. Não podemos ter um e excluir ou outro, pois então o prazer não passa de uma anestesia. Um band aid. Uma pretenção.
Mas dor não e sinônimo de sofrer. Dor e inevitável. Sofrer é uma escolha.
Só porque sentimos a dor da perda, não quer dizer que não valeu a pena que uma vez já foi nosso. Porque pra mim, valeu sim a pena. Minha irmã morreu há quase 5 anos atrás e eu só sinto gratidão por ter conhecido ela. Valeu a pena. Conheci um cara (eh Chico to falando de vc) aqui msm e embora a gente não se fala mais, valeu a pena ter conhecido ele. Sempre vale a pena. (E eu talvez passei muita vergonha me expondo pra ele mas faria tudo de novo.)
Num sei aonde quero chegar com esse texto, e to achando que ninguém vai ler msm, mas preciso de fato começar. E abuso desse sub de novo pra concluir. Acho q vai ser o ultimo por agora. Eu preciso parar de procurar validação externa. Confiar na minha voz interior porque agora sei que eu sou confiável. Sempre terei a melhor intenção comigo mesma (se isso faz algum sentido). Mas sla.. no final do dia parece que temer viver é temer sentir dor e temer sentir dor é temer morrer. Mas a morte é o destino. Não tem como pressionar um botão que congele o tempo.
Assim como as árvores não lamentam as folhas caídas e a maçã não teme apodrecer, só vai. Permitir que as coisas se desdobram do jeito que desdobram. Se entregar por completo. Porque viver a vida escondida não passa de suicídio passivo.
Eh aquele ditado não eh, amor fati.
Ps; lamento pelos erros gramaticais n
Bjs
submitted by Mrbingshlong to desabafos [link] [comments]


2020.02.12 00:56 throwaway2737277 Eu não aguento mais doomers

ETA pra evitar mais má interpretação: o que eu estou dizendo não é uma crítica a esse subreddit. É sobre a internet em geral.
Post arriscado porque eu sei que uma imensa parte das pessoas que frequentam esse sub são doomers, por motivos óbvios. Portanto se você é doomer e fica facilmente ofendido/chateado, não leia.
Passar o dia inteiro na internet reclamando e amaldiçoando a vida é um saco e não só ativamente te atrapalha, como também piora o humor dos outros. Eu entendo que muitas pessoas tenham problemas reais e complicados (isto é, todo mundo), mas ao mesmo tempo muita gente carece de inteligência emocional e fica no fundo do poço por falta de iniciativa. A vida nunca vai ser perfeita, tudo é sobre focar nas partes positivas, pegar as partes ruins que você não consegue mudar e investir em distrações que te agradem, que é o que a grande maioria das pessoas faz. Existem desvantagens e vantagens em toda situação. Se sua situação for realmente muito merda, existe pelo menos uma: a possibilidade de aprender, de crescer emocionalmente e filosoficamente e de se preparar pra adversidades futuras. Porém eu sei que a moda doomer é ser niilista e achar que desenvolvimento de caráter é baboseira. É difícil falar com doomer, parece que eles ativamente querem estar na bosta e focar nos problemas. Eu sou pobre, virgem, sem emprego e sem experiência, estou numa faculdade de esquina enquanto vários dos meus colegas estão em universidades estelares fora do país, tenho literalmente uma única pessoa pra conversar, meia dúzia de doenças crônicas, minha vida familiar é extremamente conturbada, leio as notícias extensivamente todos os dias, e quer saber? Eu amo a minha vida. Eu estou bem. Eu tenho dias ruins como todo mundo, mas no geral a minha vida é satisfatória pra mim e eu não me arrependo das minhas escolhas, não amaldiçoo minhas circunstâncias.
Já tive depressão severa por anos alguns anos atrás, na minha cabeça minha vida não tinha como piorar, e o que me ajudou foi praticar estoicismo, paganismo e cultura tradicionais e ser uma pessoa positiva, que percebe os próprios privilégios e vantagens (é fake it ‘til you make it), bem como cuidar da minha saúde física (tomar sol e consumir vitamina B12, por exemplo). “Ah mas é mais fácil falar do que fazer”. Pelo contrário, quando você fala/pensa nisso estando na merda, parece impossível e burro. Mas com prática, paciência e persistência, tu percebe que isso é mais fácil do que se lamuriar dia e noite. E que isso na real é mais um traço de gente inteligente do que estar sempre reclamando e na fossa. Digo isto porque muitos doomers têm a ideia de que se você for pessimista e niilista, de alguma forma você é woke com um QI superior, e se você for uma pessoa positiva e otimista é porque você é um normie alienado e privilegiado.
E é essa mentalidade que eu não tanko. Entrar na internet me sentindo bem e feliz e imediatamente ver algum post de doomer falando o quanto a vida e o mundo são uma merda e sobre como estamos encaminhados para um colapso mas os normies fedidos não sabem imediatamente estraga meu dia. E não, não é fácil evitar ver esse tipo de coisa, principalmente em redes como o Reddit e o Twitter.
No mais, sei que a vida é difícil e que as coisas hoje em dia estão um pouco piores do que eram algumas décadas atrás, mas o show tem que continuar. Se adapte, espere, fique firme, pratique escapismo, medite, ache um hobby ou um interesse novo, se reconecte com sua cultura e família, faça autoanálises, se dê um “pep talk”, se afaste de negatividade e toxicidade na medida do possível, saia da internet, procure uma ocupação nem que seja trabalho voluntário. Ache formas saudáveis de cooperar. É bem provável que no final você vai sobreviver e ter sucesso (uma casa pra morar mesmo que seja simples, um emprego, uma grana pra pagar contas e comer — quer mais o que? O resto tem que ser com você). Tu vai mesmo passar o resto da tua vida focando nas suas desvantagens, reclamando e pensando no colapso da civilização? Não é de se admirar que gente assim sempre ta se sentindo um lixo e não consegue se relacionar bem socialmente.
Eu só desejo felicidade e inteligência emocional pra todo mundo. O mundo é uma reflexão do que nós fazemos e somos e se a internet agora é uma ferramenta pra geral compartilhar o quanto odeia tudo e quer se matar, lógico que essa mentalidade vai se alastrar e parecer normal/universal/condizente com a realidade. A maioria por aí anda estudando, trabalhando, se dando bem na vida com trabalho e esforço e sendo feliz apesar dos pesares. As pessoas estão vivendo e o show está continuando lá fora. Não é normal reclamar num quarto escuro e imundo e nadar na merda 24/7. Se essa é sua realidade, como um dia foi a minha, não se acomode.
A internet ta realmente precisando de uma onda “anti-doomer” em que a moda é ser positivo e wholesome.
Tl;dr: doomers, na minha opinião, estão tendo uma presença tóxica na internet e arrastando outras pessoas pra uma mentalidade negativa que não é realista ou adequada, e isso vem me incomodando faz tempo. Desculpem.
submitted by throwaway2737277 to desabafos [link] [comments]


2020.01.18 21:28 cardosothiago O meu desabafo dói

Sempre deixei minhas feridas abertas para que minha familia pudesse ver, lembro que alguns anos atrás eu nao conseguia tomar café, por que eu sentia ansiedade e descontrole, então qualquer café pela manhã me dava muita ansiedade. As vezes eu pude ver que meu pai nunca ligou pra isso, ou ate mesmo nunca tive um incentivo dentro de casa (nunca existiu) , tudo que eu tive foi uma resposta pessimista e sempre uma desculpa pra tudo, e quando eu me descontrolava eles vinham me consolando, mas a única vez que eu mereci desculpas foi quando meu pai apontou a faca pra mim e disse que iria arrancar o meu pescoço, estive errado, por que eu gritei e xinguei ele. (Eu denunciei isso) Mas sempre pq meu sentimento grita, eu ja corri atras de muita coisa, ja tentei varias coisas e ganhei dinheiro, aliás, poderia gritar quantas vezes fosse preciso, eu sei que minha familia amou ver eu berrar e contar tudo, ver minhas crises, eu deixei claro, ja fiz testao na net, varios amigos e sempre bati na porta do espirito dizendo: nesse sentimento que estou afogado nao tem ninguém. Quanto mais eu imploro por afeto, nao tem ninguem na familia que dividiu algo, nunca tive isso de abraço, eu te amo. Só uma pressão eles quererem colocar meus sentimentos num boneco e ver eu berrar toda as vezes que eles apertarem, manipulação emocional e pressão. Digo com todas as letras minha familia alfinetou meu sentimento, durante tanto tempo pude perceber que não era eu o errado, mas sim oque eu entreguei, tentei me aproximar do meu pai mesmo morando com ele varias vezes, das minhas irmãs, mas toda as vezes que eu ia contar dos meus sentimentos eles tomavam governo sobre mim, mas nunca ouve reciprocidade de nada, eles sempre transparecem segurança total sobre isso.
Eles aproveitam o tempo possivel, eu ja tive varios episodio de loucura, fugi de casa, fiquei sem entender nada varias vezes, com muito medo. E depois a impotência veio e eu me levantava toda ás vezes
Por tantas das vezes que eu achava que ainda podia contar com minha mãe, nao eram os melhores conselhos do mundo ou a resposta que eu precisasse ouvir. Hoje eu ja aceitei todos como são, sei que o tempo pode vingar, sei que ja superei.
Pude sentir na minha alma como tudo isso estava me deixando com ódio, foi muita coisa a mais nesses 24 anos de idade, hoje eu só vejo zumbis nos corpos da minha familia e existe uma coisa muita forte ne mim hoje que, mesmo que eles mudassem como são, nada irá tirar as marcas de tanta estorçao, nunca correram atrás de nada para mim, eu lembro quando estava tirando minha identidade com 12 anos ja andava em vários lugares, era uma vontade muita grande de viver.
Eles souberam apertar meu botão do descontrole durante todos esses anos, mas hoje eu assumo o controle do meu interior. Eu fiquei com o papel de louco, sempre tiraram minha razão pra tudo.
Hoje em dia nao tenho motivos pra me expressar ou falar, chega de ser julgado, eu posso ser milionário um dia e ser feliz em qualquer parte desse mundo. Mas foi impossível ter tido o que eu queria que era um abraço, hoje eu sei que as pessoas tem prazer em fazer e ver as outras sofrerem
O que eu carrego hoje no meu peito é a liberdade do narcisismo. Eu busquei por muito tempo que aquelas sessões de tortura era falta de entendimento
Eu carrego em mim hoje os meus sentimentos e nada do que eu tive coisas que o dinheiro nunca vai pagar. Carrego o silêncio mortal pelos cómodos da minha casa
Fui assassinado muitas vezes por carregar profundidade, sentimento... Dentro e fora de casa.! E percebo que as pessoas estão fugindo dessa zorra, ou fingindo nao ter nada por dentro
Nao era minhas estratégias eram minhas vulnerabilidades, hoje eu percebo que se eu fizer barulho de felicidade vao querer roubar, é por que é com a alma. Mas estou no razo outra vez
submitted by cardosothiago to desabafos [link] [comments]


2020.01.12 08:42 devilcrybae Viver o outro em um relacionamento

Eu sei que a quantidade de desabafos que realmente chega a um certo número de pessoas é bem difícil; independentemente disso, estarei colhendo qualquer pequeninha opinião que eu receber, acho que eu preciso de mais pontos de vista sobre esse assunto.
A história é: estou a beira de completar 8 meses de namoro, o meu primeiro namoro. A pessoa na qual eu compartilho uma aliança, vem sido uma das pessoas que mais vem invadindo minha mente em muito tempo (afinal, gosto muito dela, apesar dos apesares). Tenho muita coisa boa para dizer sobre, não me entendam mal. Vivo num relacionamento onde constantemente sou lembrada que sou amada, namoro uma pessoa que realmente tem uma alma bem sensível… dificilmente temos incompatibilidades e muito raramente brigamos. O sexo é bom, a química é boa, na visão exterior fazemos um belo casal. A pessoa no qual eu namoro, inevitavelmente, conquistou meu coração mesmo.
Mas uma coisa que veio me deixado mal, e me pesa muito atualmente, é o quanto eu estou me perdendo dentro dele. Eu digo, recentemente vim escutando minha playlist das minhas favoritas na Deezer, e eu me assustei porque, caralho, eu amo as músicas que eu escuto! E eu esqueci total como era porque… bem, meu namoro inundou tanto a minha mente que as músicas que eu andava escutando não era as minhas, mas sim as dele. A sensação que eu tenho dentro desse namoro é essa: eu tô vivendo os problemas dele, escutando as músicas dele, usando o que ele usa, rodeado dos amigos que ele escolheu, a família dele deve ter cansado de ver a minha cara, e etc. Minha maior problemática é: não vejo o mesmo acontecendo com ele.
Vivemos num relacionamento a distância, então inevitavelmente a gente precisa se ver na casa ou de um ou de outro. E eu sempre fui muito mais a casa dele, do que o contrário (tantas vezes eu pedi pra ele ir na minha casa, e ficava num eterno “um dia eu vou”). Eu sempre fui a que mais gastei meu montante com esse relacionamento (eu trabalho e ele não), sempre quando ele tá mal, eu dou a maior assistência e nunca deixo de estar com ele (depressão é um assunto complicado), mas sempre quando é comigo, ele me dá um abraço, fala que vai ficar tudo bem, e não demora muito pra ele me deixar e ir fazer outra coisa (ele mora em república, então geralmente é sair do quarto e me deixar sozinha enquanto fica trocando ideia na sala com os amigos e fuma maconha).
Não lembro nem qual foi a última vez que a gente fez algo que eu gosto, sabe? Assistir um filme juntos, ou jogar um jogo, ou um anime, série, qualquer coisa. Ele diz que quer ouvir mais músicas minhas, mas sempre deixa isso pra depois, e só andou se “preocupando” recentemente porque o remorso bateu e ele veio tentando correr atrás de corrigir (e pasmem, não é raro ele ‘esquecer’ disso). Dizem que relacionamentos são feitos de sacrifícios, e de certa forma você não consegue *não* estar inteirado na vida dessa pessoa; mas parece que esse fardo sou eu quem carrego.
E eu vivo me sufocando com isso porque, poxa, eu não acho que qualquer demonstração de afeto deva ser cobrada ou coagida. Não gosto de ser cobrada e muito menos cobrar, e ficar mendigando “o básico” me parece ridículo. Ao mesmo tempo, não consigo evitar o fato que eu posso simplesmente estar exagerando com essas questões, visando que geralmente a gente sempre pensa mais no nosso esforço do que no esforço do próximo; e penso que tudo de problemático que eu vejo provavelmente nem se passa na cabeça dele por maldade, e eu sou péssima em diplomacia.
Enfim, é isto. Desculpem pelo god damn textão, acredito que poucos lerão. Mas aos que leram muito obrigada.
Se você for meu namorado e estiver lendo isso: oi, eu te amo demais, mas tá foda.
Beijos
submitted by devilcrybae to desabafos [link] [comments]


2020.01.08 08:07 Bloodao Paixão por uma personagem fictícia.

Olá, esse é o segundo site em que posto isso, por mais que seja um tanto vergonhoso pra min, sinto que é nescessário, por favor se você acha esse título uma brincadeira ou uma fanfic, pelo menos não comente nada pra não piorar minha situação, irei contar como tudo começou desde o primeiro dia.

Naquele dia eu estava jogando tranquilamente, e chega uma mensagem no meu celular, eu abro e é meu amigo, me recomendando um anime, eu curto animes e ultimamente tem sido o meu hobby além de jogar, então eu fui ver, pra quem assiste bastante animes, provavelmente já deve conhecer,Rascal Does Not Dream of Bunny Girl Senpai, ou só pelo nome curto que as pessoas chamam normalmente, Bunny Girl Senpai, e bom, eu assisti o anime inteiro e achei maravilhoso e incrível, creio que tenha sido o melhor anime da minha vida inteira, depois de terminar o anime assisti o filme do anime, que também é espetacular, depois disso eu fui continuar meu dia normal de férias, jogar ou assistir mais anime, mas eu tavo sentindo um peso enorme, e eu não sabia o que era, e eu ficando confuso comecei a entrar em pânico, tentando descobrir o que estava me causando essa agonia, esse frio na barriga absurdo, então sem querer eu descobri, quando eu pensei em uma das personagens do anime, eu cai em lágrimas, tinha acabo de descobrir que estava apaixonado por uma personagem fictícia, me refiro a Mai Sakurajima, ou apenas Mai-San, e eu estava tentando achar uma solução e me veio a cabeça ''eu posso ficar tranquilo, isso é só uma apaixonite por uma personagem, obviamente não vai durar nada ou algo do tipo'', emfim.... aqui estou eu, com um belo tempo passado, e já estou ficando com medo de me sentir assim pra sempre, pode parecer muito exagero, afinal estamos tratando de algo impossível, mas eu realmente percebo que estou apaixonado por ela, ela conseguiu ser perfeita aos meus olhos, provavelmente não só aos meus, isso que me deixa ainda mais furioso, além de ser uma personagem, ou seja, é algo que nunca conseguirei, se por um acaso eu conseguisse, eu não seria o único, pode parecer egoísmo mas é o que eu sinto, eu cada vez só sinto mais afeto por ela, eu realmente à amo, eu percebo isso por que um dia eu já fiquei apaixonado por uma garota, e senti as mesmas coisas, e eu só consegui esquece-la por que ela realmente parou de existir pra min, eu não lembro dela mais, e quando eu lembro não sinto mais nada, provavelmente muitos de vocês que estão vendo esse texto vai tentar responder que esse é o exemplo mais forte de que eu vou um dia quem sabe esquecer a Mai-San, mas pra min esse é o exemplo mais forte de que eu não vou esquecer, por que pra esquecer uma garota que eu praticamente não tinha contato nenhum com ela, quase não a via, foi um inferno, imagina pra uma personagem, que é algo que aparece toda hora, ainda mais ligada a tantas coisas importantes pra min, por exemplo, quem me recomendou o anime foi um dos meus melhores amigos, pra min ele é uma pessoa inesquecível, e o anime foi o melhor que já vi na vida, então também é inesquecível, eu já não sei o que fazer, muitas pessoas também podem falar que eu só estou apaixonado por ela ser uma personagem bonita, mas a personalidade dela pra min é a melhor do mundo, eu não consigo acreditar que exista algo assim, uma pessoa tão boa e doce, que se preocupa com você a ponto de largar o trabalho que estava fazendo em outro país, pra viajar até você pra te confortar, talvez possa existir várias pessoas assim, mas eu queria me casar com ela, queria dormir com um abraço quente dela, e pensar nessas coisas só aumentam meu amor por ela.

Eu sou um cara muito realista, nem um pouco utópico, reconheço o que é impossível, e talvez por isso eu esteja mais triste do que deveria estar, eu sei que não vou consegui-la, e isso me dói muito, acho que é a dor mais forte que já senti, superou até a que eu senti na morte do meu avô.

Não sou uma pessoa triste, não vivo dizendo por ai que quero cortar os pulsos nada do tipo, e como eu já disse essa sensação não é nova pra min, já que já senti isso um dia, eu fico com um ódio de mim mesmo por ter me apaixonado por uma personagem de um desenho japonês, kkkk me da até vontade de rir, mas a tristeza bate muito mais forte por culpa de todos esses fatores, eu não vou esquece-la, e nunca vou ter ela junto comigo.

Eu realmente agradeço você que leu tudo isso e que provavelmente quer me ajudar, eu não sei o que fazer, e não sei o que quero que aconteça no meu futuro, já que uma parte de min que esquece-la, pra acabar com esse sofrimento que estou sentindo, mas a outra parte quer que eu lembre dela, essa parte quer ser utópica, a ponto de ter esperança de um dia eu me juntar a uma personagem de desenho, eu não sei como eu deixei isso acontecer (me apaixonar por uma personagem), mas eu me culpo todo dia por isso.

Antes de terminar queria dizer que se você for responder uma frase pra me ajudar que seja do tipo: ''fale com seus pais sobre isso, eles são as melhores pessoas pra conversar com você'' ou ''tente achar uma pessoa igual a ela, tanto em aparência (apesar de ser impossível pois além dela ser perfeita rsrs... ela é uma personagem de anime) quanto em personalidade''. Digo pra não responder isso pois se eu falo pros meus pais sobre isso, e que foi assistindo anime que aconteceu, eles vão cortar minha assinatura com o site de animes, pois pra assinar foi uma luta, já que meu pai havia ouvido rumores de que adolescentes/jovens estava se suicidando e coisa do tipo por causa de animes, e assistir animes está sendo meu hobby principal, é o que eu mais gosto de fazer. E pela parte de encontrar alguém parecida, por que eu não vou ficar com uma garota apenas por que ela parece com uma outra pessoa que eu gostaria de estar namorando, além de ser ruim pra min, em questão de eu estar sendo egoísta e deixando a garota triste por isso, eu vou estar apenas aumentando as esperanças de que um dia eu tenha ela.
submitted by Bloodao to desabafos [link] [comments]


2019.12.12 07:31 rv_trash Estou webnamorando e preciso de conselhos

Dia 3 de Novembro de 2019
Era uma terça-feira, à tarde, quando tudo começou. Um número aleatório havia me chamado no Whatsapp, de uma forma bem inusitada, dizendo: "iae mano já vendeu os galo de briga lá?".
Eu respondi de forma irônica em seguida, e fomos conversando. Eu pensei que fosse mais um tonto me trolando, mas não, acabei descobrindo que era uma garota. A gente conversou por horas e horas a fio, se conhecendo cada vez mais, e eu estava gostando de conversar com ela, pois ela parecia ser muito legal. Passamos 12 dias conversando, se conhecendo, trocando experiências e tudo mais. Nesse meio tempo, eu tinha descobrido que ela morava bem longe de mim, mas não dei muita importância. Até que decidi mostrar meus sentimentos por ela (sim, realmente foi muito cedo), mas logo em seguida, a mesma resolveu me pedir em namoro, dizendo que eu era perfeito, muito gente boa e bonito. Ela já teve vários outros webrelacionamentos, estava sofrendo muito com eles, e como resultado, hoje em dia se sente muito insuficiente e insegura. Ela me contou que havia terminado o seu outro webrelacionamento no mesmo dia, achei meio confuso, mas só aceitei.
No começo, esse "webnamoro" era só um meme para ambos, nenhuma das duas partes estava levando realmente a sério. Eu no começo apenas estava querendo ajudar ela, a superar seus medos e inseguranças. Após completarmos 1 semana de namoro, ela teve uma crise de pânico, dizendo que estava querendo se suicidar. Eu estava desesperado tentando ajuda-lá, mas não estava adiantando. Mas isso não foi do nada, ela tinha seus motivos pra isso. A própria mãe a chamava de lixo e queria que ela morresse, pois não aceitava o estilo e opção religiosa de sua filha.
Eu dei o meu máximo para dar motivos para ela viver, disse que ela era muito importante pra mim, e que eu a amava, e nessa discussão eu me desgastei muito emocionalmente, pois estava abalado com tudo que estava acontecendo. Mas graças a Deus, tudo deu certo, e a gente voltou ao normal.
O tempo passou, a gente estava perto de completar 2 semanas, até que uma coisa muito infortuna aconteceu. Era novamente uma terça, dessa vez de noite, eu estava discutindo com meus amigos em relação ao meu futuro com ela. Não levem eles a mal, mas alguns continuam não apoiando meu relacionamento com ela, por alguns motivos "óbvios" e pessoais.
Nesse dia eu tava muito eufórico, ansioso e inseguro, pois eu estava com muito medo do futuro da nossa relação, e por impulso, acabei terminando com ela, sem mais nem menos. O meu dilema na nossa relação era: "Vamos viver um dia de cada vez" e nesse dia, eu acabei me contradizendo, e quebrando minha palavra. Ela estava triste, pois novamente tinha achado que tinha sido feita de trouxa, por alguém que dizia as mesmas coisas que os anteriores.
1 dia depois, me bateu arrependimento profundo, eu estava demasiadamente triste, pois fiz algo que parecia certo, mas não o que era certo pra mim. Eu passei 5 longos dias tristes, me torturando e dizendo a mim mesmo que nunca iria me perdoar por ter feito tal ato, até que eu decidi ir e falar com ela novamente. Então decidimos voltar, ela tinha dito que poderíamos tentar mais uma vez, e assim foi feito. 2 dias depois, ela decidiu terminar novamente, porque estava insegura em relação aos meus amigos, acreditava que eles nunca nos apoiariam e que nunca iriam aceitar ela.
Ficamos 1 semana um sem falar com o outro. Eu estava sentido o triplo da falta dela, e nesse dia eu descobri de verdade que o que eu tava sentindo, era amor. Eu chamei ela pela segunda vez, conversando como amigos. Conversamos por dois dias seguidos, e ela por algum milagre resolveu voltar comigo por decisão própria.
Daqui 3 dias, nós vamos completar 1 mês juntos (fora os dias que terminamos temporariamente), e ao longo desse nosso relacionamento tumultuado, eu amei alguém pela primeira vez e foi muito intenso. Estamos juntos novamente até o momento desse post, e uma coisa que digo pra vocês é: o que eu sinto por essa garota, é algo surreal. Alguns de vocês podem me críticar dizendo "aaiin, mas vc conhece ela a um mês e já se amam assim", "pare de se iludir, vc é novo, ainda vai aparecer muita gente na sua vida"," é só um webnamoro, daqui a pouco passa", mas eu não dou a mínima. O amor supera todas as barreiras, o amor vai além de tudo e todos, e nós fomos e estamos indo além. Ela realmente me ama, e já provou e demonstrou diversas vezes. Ela se sente muito grata por eu ter ajudado ela a superar alguns de seus traumas, e diz que isso me torna mais incrível do que já sou, aos olhos dela. Eu amo essa garota incondicionalmente, ela me faz sentir uma pessoa incrível todo dia, eu sou eternamente grato por ter ela "ao meu lado".
Porque mesmo sendo só um webrelacionamento por enquanto, a sensação de ter alguém do seu lado, te apoiando e te ajudando, gostando de você, te dando motivos pra viver, é incrível. Agora eu realmente sinto que encontrei a pessoa perfeita para mim, pois ela me preenche de uma forma única e inexplicável.
Enfim, eu boto fé que nosso relacionamento vai dar certo dessa vez, eu acredito nos meus sonhos e sei que eles podem se tornar realidade, com muito esforço e dedicação. Como disse Nelson Mandela: "Tudo parece impossível, até que seja feito".
Eu sei eu sei, ainda é muito cedo pra decidir tudo isso, ir ver ela pode me custar tempo e dinheiro, mas eu tenho plena certeza de que se tudo der certo, irá valer a pena.


Se alguém quiser dar conselhos, críticas ou opiniões construtivas, toda ajuda será bem-vinda.
submitted by rv_trash to desabafos [link] [comments]


2019.10.28 11:05 darkalemanbr O dia que eu levei pra cama uma mina cliente do meu trampo

Quando eu tava fazendo facul de pedagogia bovina, eu tive que arrumar um trampo pra poder pagar a mensalidade e o aluguel da minha kitchenette (quitinete pra quem não fala inglês) depois que meus pais me chutaram pra fora de casa por ter 32 anos e nunca ter arranjado um emprego. (Como se a culpa fosse minha e não dessa crise do caralho culpa do governo esquerdalha que fez meu papai perder seu cargo público) Enfim...
Aí eu comecei no trampo novo de ajudante de barman numa balada. Meu serviço era basicamente preparar os ingredientes das bebidas que ele fazia, tipo descascar abacaxi pra fazer pina colada etc. O ácido do abacaxi comeu tudo as minhas digital dos dedos, sérinho velho. Mano não entendo a pira que essas mina tem de tomar suco de fruta batizado com pinga...
Beleza. Aí depois de uns 6 meses ali eu já tava fazendo malabares com abacaxi e tal e as chapada locona ficava gritando no balcão vendo nós bater suco com balalaika. Aí que minha sorte mudou.
Um belo dia depois de mais uma noite de ver gente com a camisa toda vomitada, eu saindo do expediente uma mina coisa mais linda, baixinha tipo 1,50m, moreninha de olhos verdes, já bem grog, encostada na parede não conseguia nem ficar de pé direito, me aborda e pergunta:
Oiii. Nossa você não é o cara do abacaxi lá do bar?!
Aí eu respondo:
Eu mesmo. Gostou da apresentação, linda?
E ela retruca, em tom de ironia:
Haha nooossa amei foi o máximo. Uhul. Você leva jeito com a fruta mesmo né...
Aí conversa vai, conversa vem, pergunto pra ela se ela tava esperando alguém, aí ela:
Entããão... Eu tava com a minha amiga mas ela foi embora e me deixou aqui, eu tô esperando pra ver se alguém me dá carona...
Aí meu parceiro, minha testosterona entrou em ação. Claro que me aproveitei da situação e ofereci carona:
A gente podia dividir um Uber... Mas só tem uma condição: ele vai parar só na minha casa.
Aí a feição dela já mudou, e pasmem confrades, ela topou:
Hmmm. Digo bora, eu gostei de você.
Aí depois de 17 minutos a nossa carroagem do amor chega. Embarcamos atrás e mandei o motorista tocar (o carro, lógico). Aí na segunda esquina ela já encostou a cabeça no meu ombro e adormeceu. Ela babou um pouco na minha peita original do Avenged Sevenfold mas tudo bem.
Aí chegamos na minha humilde residência. Eu acordo ela com uma voz melosa de mãe americana pra não assustar:
Acorda meu amor. Nós já chegamos.
Ela olha pra mim com aqueles olhos de chinês em transe e, com muito esforço, fica de pé. Eu como sou homem cavalheiro, ajudei a donzela até o meu sofá, onde ela se sentou. Enquanto ela repousava suas nádegas suadas, fui buscar um copo d'água filtrada no meu filtro de barro (que aliás é o melhor do mundo) para reidratá-la e prepará-la para nossa noite nupcial. Para meu desapontamento, ao retornar, ela se encontrava novamente deitada e salivando, em sono profundo.
Bom, aí meus chapas, vocês já sabem o que acontece com mulher gostosa em coma alcoólica na minha casa: carreguei ela pra cama, tirei o sapatinho dela, afrouxei a roupinha dela e coloquei a coberta por cima dela e deixei ela dormindo uma bela noite de sono numa posição confortável enquanto fui dormir no sofá.
Já de dia, ela me acorda e diz:
Oi. Nossa eu tô perdidassa, que vergonha. Quem é você e onde nós estamos?
Eu falo o meu nome e explico toda a história da balada, Uber e que ela pegou no sono e não tinha rolado nada e tal... Daí ela exclama:
Caralho, meu namorado vai me matar. Eu tô sem crédito... Me empresta seu celular pra ligar pra ele?
Com pena da situação da pobre moça, cedi:
Oi amor... Tô na casa de um amigo... Não!!! Deixa de ser besta, ele é gay... Tá... Tá bom... Eu te mando a localização... Beijo... Também te amo... Tchau.
Ela se direciona a mim de novo:
Ele tá vindo me buscar. Obrigado, tá?! Desculpa qualquer coisa...
E ela foi embora...
Depois, por curiosidade fui ver para qual número ela havia ligado e percebi que o número estava na minha lista de contatos! O nome do namorado dela? u/nomanoid
submitted by darkalemanbr to circojeca [link] [comments]